Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Debate discute hoje (5) a realidade da mulher jornalista

Debate nesta segunda (5) discute a realidade da mulher jornalista

“A realidade da jornalista: direitos e democracia” é o tema do debate que o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) realiza na segunda-feira (5), às 19h, na sede da entidade, na Rua Rego Freitas nº 530, sobreloja, centro paulistano. A atividade, gratuita e aberta à participação, é organizada pela Comissão de Jornalistas pela Igualdade de Gênero e pela direção executiva do SJSP para marcar o Dia Internacional da Mulher, no 8 de março. 

As convidadas são as jornalistas Marlene Bergamo, diretora do SJSP,  fotógrafa da Folhapress e co-autora do livro “Carandiru”; Rita Lisauskas, blogueira do “Ser mãe é padecer na internet”, autora do “Mãe sem manual” e colunista da Rádio Eldorado; Rosane Borges, pós-doutora em ciências da comunicação, professora da Universidade Estadual de Londrina, articulista da Carta Capital e membro da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial (Cojira-SP).  

O debate terá transmissão ao vivo pela internet, na fan page do Sindicato:  www.facebook.com/SindicatoJornalistasSP/

Partindo da realidade de machismo e opressão vividos pelas jornalistas nas empresas de comunicação, o debate vai abordar o cotidiano da mulher na redação e os impactos da retirada de direitos do governo Temer na vida das jornalistas. Também serão discutidas questões como os assédios moral e sexual, a diferença salarial entre homens e mulheres, e a dificuldade da participação em editorias consideradas masculinas, como a de esportes e economia.

Fazendo uma análise de como as diferenças entre homens e mulheres aparecem no exercício da profissão, o evento visa, ainda, debater a relação entre essas desigualdades e a retirada de direitos com a aprovação da “reforma” trabalhista.

Uma das discrepâncias criadas pela “reforma” na legislação trabalhista é que, num caso de assédio sexual, por exemplo, se uma editora e uma estagiária forem vítimas do assédio praticado por um mesmo editor-chefe, as trabalhadoras terão indenizações com valores diferentes de acordo com o salário. Nesta situação, há uma desigualdade no tratamento de um mesmo crime para duas vítimas do mesmo assediador devido à diferença salarial.

Outro impacto está na flexibilização da jornada, que prejudica o conjunto dos trabalhadores, mas que resulta em prejuízos maiores às mulheres porque, além da sobrecarga no trabalho e com horas extras não pagas, as jornalistas ainda enfrentam a jornada dupla com as tarefas domésticas.

Segundo levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2017, as mulheres passam o dobro do tempo nas tarefas domésticas em comparação com os homens – são quase 21 horas semanais para as mulheres contra pouco mais de 11 para os homens.

Como essas mudanças se relacionam com a necessidade de organização das mulheres pela luta pelo fim do golpe à democracia e contra a retirada de direitos é outro ponto a ser discutido pelas jornalistas.

Debate “A realidade da jornalista: direitos e democracia”
Dia: 5 de março de 2018 (segunda-feira)
Horário: 19h
Local: Auditório Vladimir Herzog – Sede do Sindicato dos Jornalistas
Rua Rego Freitas nº 530 – Vila Buarque – São Paulo – SP
Confirme sua presença no evento na fan page do SJSP e compartilhe o convite em sua rede. 

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo