Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Rede de Jornalistas e Comunicadoras com visão de Gênero e Raça é lançada no Brasil

Rede de Jornalistas e Comunicadoras com visão de Gênero e Raça é lançada no Brasil

Rede de Jornalistas e Comunicadoras com visão de Gênero e Raça foi lançada no Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres

Rede de Jornalistas e Comunicadoras com visão de Gênero e Raça, lançada neste 25 de novembro, Dia Internacional de Combate à Violência Contra as Mulheres, está aberta para a filiação de pessoas e organizações interessadas em atuar na sua composição. A Rede surge a partir da articulação de jornalistas brasileiras ligadas à perspectiva e em diálogo com a Red Internacional de Periodistas con Visíon de Género (RIPVG).

Filie-se aqui!

Formam a Coordenação Colegiada da Rede: Cynthia Mara Miranda, Michelly Santos de Carvalho e Rose Dayanne Santana Nogueira. O Conselho Consultivo é integrado por Rachel Moreno, Jessica Gustafson, Cecília Bizerra Sousa, Paula Guimarães, Ana Veloso, Leonor Costa e Samira de Castro.

“A Rede Brasileira de Jornalistas e Comunicadoras com Visão de Gênero e Raça surge num panorama desafiador de luta para a garantia da liberdade de expressão, dos direitos humanos, dos direitos das mulheres e da luta antirracista. Emergimos numa data extremamente importante para a luta feminina, o Dia Internacional da Não-Violência Contra a Mulher, em um país que mata uma mulher a cada duas horas, especialmente, as mulheres negras. Lembramos aqui que enquanto jornalistas e comunicadoras nosso papel é defender espaços diversos promovendo vozes de mulheres, pretas, indígenas, LGBTI+, mulheres com deficiência, e outras maiorias minorizadas”, afirma a jornalista, professora e feminista negra Michelly Santos de Carvalho.

As articuladoras da Rede buscam fomentar o engajamento de profissionais e ativistas comprometidas com os princípios da igualdade entre os gêneros, a partir de uma perspectiva interseccional, que conecta gênero a outros marcadores sociais como raça, classe, sexualidade e etnia.

“Também prezamos pelo entendimento de que a construção da democracia exige a adoção de uma comunicação na perspectiva de gênero e da democratização dos meios de comunicação. Construir essa visão e ampliar a sua abrangência a partir do diálogo com outras jornalistas, observando atentamente as especificidades do nosso País, é a nossa proposta”, informam.

ACADEMIA, ATIVISMO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL

A formação de redes de jornalistas com perspectiva de gênero tem sido impulsionada nos últimos anos por uma articulação entre os Estudos de Gênero, o ativismo feminista e os saberes da profissão, em um contexto complexo vivido por diferentes países, principalmente na América Latina. Se por um lado, o crescimento de grupos anti-direitos questiona os marcos conquistados por lutas históricas de redução das desigualdades, incluindo as de gênero, por outro, temos a expansão dos movimentos feministas, antirracistas, LGBTQ+, entre outros, que fazem frente ao momento de retrocessos.

Neste sentido, a criação da Rede de Jornalistas e Comunicadoras com visão de Gênero e Raça é histórica e demonstra a maturidade das discussões no âmbito da comunicação, entendendo o jornalismo tanto como um reprodutor dos preconceitos sociais quanto como um agente transformador da sociedade em que está inserido.

“A Rede Brasileira surge para ampliar o debate sobre a democratização da comunicação na perspectiva de gênero. No campo da comunicação e do jornalismo a desigualdade entre os gêneros é visível e mesmo com a ampla articulação dos movimentos feministas, pouco avançamos no campo das políticas públicas, no combate ao machismo e ao sexismo no exercício profissional do jornalismo e também na inclusão da perspectiva de gênero nos currículos dos cursos de jornalismo, por exemplo”, assinala Cynthia Mara Miranda, jornalista, professora e pesquisadora feminista.

Conforme a jornalista, a articulação para a criação da Rede ocorreu a partir da construção de um informe para Red Internacional de Periodistas con Visíon de Género (RIPVG), onde foi apresentado o panorama da atuação das mulheres no jornalismo brasileiro e caminhos para a construção de uma comunicação na perspectiva de gênero.

Leia o informe “Panorama da atuação das mulheres no jornalismo brasileiro e caminhos para a construção de uma comunicação na perspectiva de gênero”.

veja também

relacionadas

mais lidas

Skip to content