Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Vladimir Herzog completaria 85 anos nesta segunda-feira (27)

Vladimir Herzog completaria 85 anos nesta segunda-feira (27)

Nesta segunda-feira, 27 de junho, o jornalista Vladimir Herzog completaria 85 anos. Para homenageá-lo, amigos, artistas e jornalistas se reuniram no último domingo, dia 26, na Praça que leva seu nome e integra o Centro Cultural Elifas Andreato, no centro de São Paulo.

A homenagem ao jornalista integrou o evento Todo Mundo tem que Falar, que acontece no último domingo de cada mês e abre espaço para diferentes manifestações em defesa da democracia e dos direitos humanos.

Já o Instituto Vladimir Herzog (IVH) celebra a data com uma campanha digital 85 anos Vladimir Herzog: espaços de memória, que enaltece lugares de memória que levam o nome do jornalista na capital paulista. O auditório do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo leva o nome do jornalista e, por isso, integra a campanha no IVH.

Sobre Vladimir Herzog

Nascido em Osijek (ex-Iugoslávia, atual Croácia), em 27/06/1937, Vladimir Herzog chegou ao Brasil, com sua família, no final de 1946. Em São Paulo, Vlado passou boa parte da infância e juventude.

Vladimir Herzog iniciou sua carreira como jornalista em 1959 como repórter de O Estado de S. Paulo. O jornalista passou ainda pela TV Excelsior, Rádio BBC de Londres, revista Visão, agência de publicidade J. Walter Thompson, TV Universitária da UFPE, jornal Opinião, TV Cultura e professor de jornalismo da FAAP e da ECA-USP.

Vladimir Herzog foi assassinado em outubro de 1975, quando tinha 38 anos. Ele compareceu espontaneamente à sede do DOI-CODI para depor após ter sido procurado por miltares na TV Cultura, onde trabalhava como diretor de jornalismo. Além de sofrer tortura e violência, forjou-se uma farsa sobre sua morte na qual alegou-se suicídio. A morte de Vladimir Herzog e as mentiras a respeito de seu assassinato tornaram-se símbolo da luta pela democracia e contra a ditadura militar. Quase 500 jornalistas questionaram a versão oficial dada em circunstância da morte de Vlado por meio do documento encaminhado à Justiça pelo Sindicato dos Jornalistas de São Paulo. Posteriormente, o manifesto Em Nome da Verdade foi publicado como matéria paga na edição de 3/2/1976 do jornal O Estado de S. Paulo e subscrito por mais de mil jornalistas.

O manifesto ( leia aqui) levanta questionamentos a partir das informações contidas no Relatório do Inquérito Policial-Militar sobre a morte de Vladimir Herzog.

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo