Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Site desmente notícias falsas sobre Marielle

Site desmente notícias falsas sobre Marielle

Foto: reprodução Instagram/Marielle FrancoO mandato de Marielle Franco lançou  um site para desconstruir as notícias falsas sobre a vereadora do Psol  executada na última quarta-feira(14), junto Anderson Gomes, que dirigia o carro que foi atacado por atiradores. 

Marielle tem  sido vítima de uma série de acusações falsas sobre a sua história e sua atuação. Os  boatos falsos dizem que seu mandato foi eleito pelo Comando Vermelho, que era usuária de maconha e engravidou de um chefe do tráfico.

Eleita vereadora com 46,5 mil votos, a quinta mais votada, Marielle teve a maior parte dos votos na Zona Norte, cerca de 47% do total, seguidos da Zona Sul (34%), Zona Oeste (18%) e Centro (1%). “Na região de Bonsucesso, que abarca os eleitores da Maré, Marielle teve 7% dos seus votos”, explica o portal.

O site também desmente que  Marielle “defendia bandido”. “Franco nunca defendeu qualquer ato criminoso ou fora da lei. Mas lutamos para que nenhum assaltante ou infrator seja torturado, amarrado a postes e executado. Defender isso é defender a garantia da nossa Constituição”, afirma o texto.

O site também permite que o internauta possa  denunciar mentiras publicadas na internet, seja no Facebook, Instragram, Twitter ou WhatsApp. 

Ato em São Paulo

Nesta terça-feira (20), será  realizado um ato no vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na Avenida Paulista, às 17h e memória à vereadora e ativista dos direitos humanos. A manifestação é convocada pela Frente Povo Sem Medo e o Psol-SP.

“Não podemos tolerar mais tanta violência. O assassinato de Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes, têm todos os indícios de uma execução, de um crime político. A intervenção militar aprofunda a violência e está sendo usado pelo governo golpista (…)  É hora de reunir nossas forças e de enfrentar o fascismo!”, diz a convocação. 

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo