Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Reforma trabalhista propõe aumentar multa a empresas. Quem vai cobrá-las?

Reforma trabalhista propõe aumentar multa a empresas. Quem vai cobrá-las?


Sem melhorias na aplicação de multas e na fiscalização da cobrança, resultado da medida pode passar despercebido

 


A reforma trabalhista do governo  Michel Temer (PMDB) propõe aumentar o valor das multas aplicadas a empresas que não cumprem a legislação do trabalho. Sem reajuste há 17 anos, as multas seriam corrigidas anualmente de acordo com a inflação.

A multa para empregadores que mantiverem trabalhadores sem carteira assinada passaria de um salário mínimo para R$ 6 mil por funcionário. No caso de micro e pequenas empresas, o valor seria de R$ 1 mil .

O aumento atende a uma reivindicação antiga de auditores fiscais e sindicalistas para combater a informalidade no país. Corroídas pela inflação de mais de 200% em quase duas décadas, as multas hoje pesam pouco no bolso dos empregadores que descumprem a legislação.

Governo tem dificuldade para aplicar e cobrar multas

A revisão dos valores terá pouco efeito se o governo federal não melhorar a aplicação a lei. “As multas já não são de fato cobradas, pois não há fiscalização suficiente”, diz a juíza do trabalho Valdete Severo, do Rio Grande do Sul. Com a aprovação da PEC 55 – a PEC do Teto-, que congela por 20 anos os gastos do governo federal, os recursos para a contratação de auditores-fiscais e para custear inspeções de campo devem diminuir. “Vai ficar ainda pior”, diz Severo.

Segundo dados da Procuradoria Geral da Fazenda Nacional consolidados em dezembro de 2016, 263.327 empresas ativas e inativas devem mais de R$ 13 bilhões aos cofres públicos em multas trabalhistas. Problemas com pagamentos de salário e recolhimento do FGTS são os mais comuns.

 


O órgão responsável pela gestão da mão de obra do trabalho portuário do Porto Organizado de Santos e gigantes do setor educacional, como a administradora da universidade Ulbra, no Rio Grande do Sul, integram a lista de empresas ativas que devem aos cofres públicos. No topo da lista das inativas, está a Japui, empresa varejista da capital paulista. A principal atividade da empresa, fundada em 1990, era o arrendamento e loteamento de imóveis. Da dívida de R$ 77 milhões, R$ 13 milhões são salários vencidos. Procuradas, as duas empresas não responderam aos emails da Repórter Brasil.

Para o procurador da fazenda Guilherme Lazarotti, o longo processo administrativo, a defasada lei de execução fiscal brasileira e a morosidade do judiciário criam um cenário favorável para o não pagamento da multa. Esse longo processo permite que as empresas sejam inscritas na dívida ativa somente quando é mais difícil cobrar essas dívidas. O procurador explica, por exemplo, que uma companhia que estava em uma ótima situação financeira ao ser multada muitas vezes acaba sendo cobrada somente quanto está a beira da falência, o que dificulta a recuperação do dinheiro. Além disso, o empresário, reconhecendo as falhas do governo na cobrança, tira vantagem e deixa de pegar propositalmente. “Algumas empresas entendem que é melhor postergar o pagamento do que corrigir o motivo que causou [as multas trabalhistas],” diz o procurador .

 

 

Escrito por: André Campos e Piero Locatelli (Reporter Brasil)

 

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo