Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Ouvidoria Cidadã da EBC lança relatório no Fórum Social das Resistências

Ouvidoria Cidadã da EBC lança relatório no Fórum Social das Resistências

A Ouvidoria Cidadã da EBC lança nesta quinta-feira (27) o Relatório 2021, junto com a bibliografia sobre os veículos da Empresa Brasil de Comunicação e sobre comunicação pública, além do site interativo da linha do tempo dos veículos da EBC. O evento será online, no Fórum Social das Resistências, em conjunto com o Fórum Social Mundial Justiça e Democracia 2022. O projeto da sociedade civil, por meio da Frente em Defesa da EBC e da Comunicação Pública, materializa a participação social extirpada da empresa, consolidando assim um espaço para o debate acerca da comunicação pública no país. A iniciativa surgiu com o lançamento do primeiro relatório, em dezembro de 2020, e tem como objetivo analisar conteúdos publicados e veiculados pela EBC, de acordo com os princípios da comunicação pública, que deveriam orientar a produção da TV Brasil, rádios Nacional e MEC, Agência Brasil e Radioagência Nacional, bem como os perfis desses veículos nas redes sociais.
O site foi lançado no começo de 2021 e ao longo do ano publicou 33 análises de conteúdos, quatro artigos assinados e quatro notas públicas, além de notícias e notas de apoio publicadas por outras entidades. O relatório traz análises de entrevistas e pronunciamentos do presidente Jair Bolsonaro, colocados no ar sem nenhum contraponto, apesar das inúmeras imprecisões ditas por ele; a cobertura pífia de manifestações contra o governo; a cobertura sobre a pandemia da Covid-19, que serviu de espaço para discursos negacionistas, colocando em risco a saúde da população e propagando notícias falsas; o desrespeito à diversidade religiosa com a exibição da novela Os dez Mandamentos, produção já reprisada de uma emissora privada; o retorno do Sem Censura reformulado para entrevistar ministros e personalidades pró-governo; e o uso do jornalismo para cobrir pautas e temas que não têm relevância do ponto de vista da comunicação pública.
Mas o ano teve boas produções na EBC também, o que não passou despercebido pela Ouvidoria Cidadã. São exemplos de bons conteúdos o especial sobre o centenário da dramaturga Maria Clara Machado; o destaque do trabalho do Acervo da EBC; a cobertura de dois anos da tragédia de Brumadinho; o Caminhos da Reportagem sobre comunicação pública; e a entrada das rádios Nacional AM na faixa estendida da FM em cidades onde a EBC não tinha emissora própria.
Apesar de todos os problemas enfrentados pela comunicação pública na EBC, com a censura e o governismo recorrentes e a inclusão da empresa no Programa Nacional de Desestatização, o ano de 2021 foi muito produtivo para quem resiste ao desmonte, com lutas em diversos campos. Integrantes da Frente articularam com outras entidades e conseguiram apoio contra a privatização da empresa e pelo respeito à lei de criação da EBC na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, inclusive com a articulação de audiências públicas sobre o tema no Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) e na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), além de notas de apoio internacionais.
Levantamentos feitos pela Frente sobre o uso indevido dos veículos da EBC foram levados à CPI da Pandemia e ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). A Ouvidoria Cidadã da EBC também denunciou a censura que a Ouvidoria da EBC passou a sofrer da própria direção e do Conselho de Administração da empresa em 2021.
Tiveram bastante repercussão em veículos de comunicação o levantamento sobre as interrupções na grade da TV Brasil para a veiculação ao vivo de eventos com o presidente Bolsonaro e a denúncia do uso de “inteligência artificial” para traduzir textos da Agência Brasil para o espanhol e para o inglês durante a greve dos trabalhadores e trabalhadoras da empresa, que atingiu 100% da equipe de língua estrangeira.
O relatório traz uma amostragem do que foi publicado pela Ouvidoria Cidadã da EBC ao longo de 2021. Os textos completos e outras análises estão disponíveis na página https://ouvidoriacidadaebc.org/. Serão publicados também resumos em inglês e em espanhol do relatório.

 

Lançamentos

Junto com este segundo relatório, serão lançados também a biblioteca da comunicação pública (https://ouvidoriacidadaebc.org/category/biblio/) e o Mapa Interativo Histórico da EBC (https://ouvidoriacidadaebc.org/mapa-interativo-historico-da-ebc/). A biblioteca disponibiliza referências de leitura sobre comunicação pública, a EBC e seus veículos, com links para download dos trabalhos sempre que possível. Já o Mapa é fruto da pesquisa de mestrado na UFRJ da conselheira cassada da EBC Akemi Nitahara, e traz a linha do tempo com os marcos históricos e legais dos veículos da empresa. Ambos podem ser acessados na página da Ouvidoria Cidadã da EBC.
Não custa relembrar: A EBC não é do governo! A EBC é da sociedade brasileira e vamos lutar para que ela continue assim.

SERVIÇO:
Lançamento do Relatório 2021 da Ouvidoria Cidadã da EBC, Bibliografia sobre a EBC e Mapa Interativo Histórico da EBC
Dia 27/01/22
Horário: 16h
Transmissão: Facebook do FNDC: https://www.facebook.com/fndc.br/
E-mail: ouvidoriacidadaebc@gmail.com

Mesa de debate com:
Tereza Cruvinel – jornalista, primeira presidenta da EBC
Desilon Daniels – Public Media Alliance
Rita Freire – ex-presidenta do Conselho Curador da EBC
Akemi Nitahara – Comissão de Empregados da EBC
Joseti Marques – ex-ouvidora da EBC e presidenta da OID
Mariana Martins – LapCom

Seguida por Sessão de Convergência com entidades apoiadoras
Participantes confirmados:
Pedro Rafael Villela – FNDC
Orlando Guilhon – Portal das Favelas
Juliana César Nunes – Sindicato dos Jornalistas DF
Carol Barreto – Sindicato dos Jornalistas RJ
Lincoln Macário – ABC Pública

Entidades promotoras da Convergência:
Frente em Defesa da EBC e da Comunicação Pública; Comissão de Empregados da EBC; Ciranda Internacional de Comunicação Compartilhada; Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC); Abong; Instituto Paulo Freire; Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC); ABC Pública; Sindjor-RS; Brasil de Fato RS; CUT; Sindjor-DF; IDhES; Ceaal; UBM; Camp; Contag; Enfoc; Cdhep; Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj); Sindjor-RJ; Barão de Itararé; Abraço Brasil; Cpers; CTNE; Sinrad-RJ; Portal das Favelas; Sinrad-SP; Sindjor-SP, Sinrad-DF, OID

 

 

 

O SJSP precisa de você!
Para que o Sindicato dos Jornalistas de SP continue a desenvolver o seu trabalho em defesa dos interesses da categoria, é fundamental a participação de tod@s na construção e no fortalecimento da entidade. Sindicalize-se! A mensalidade é de 1% do salário (com teto de R$ 60 na capital e de R$ 38 no interior) ou de R$ 60 e R$ 38 fixos (capital e interior) para quem não tem vínculo empregatício. O processo de sindicalização é online.  Veja aqui.

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo