Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

O estrago que a concentração da mídia faz ao país

Bolsonaro no 'Roda Viva' desnuda estrago que a concentração da mídia faz ao Brasil

“Cría cuervos que te sacarán los ojos”: o ditado espanhol pode se aplicar à mídia tradicional? Foto: Pixabay/CCJá foram feitas diversas análises da participação do presidenciável do PSL, o deputado Jair Bolsonaro, no programa Roda Viva, da TV Cultura, na segunda-feira (30). O programa alcançou recordes de audiência em sua série com presidenciáveis, tanto na televisão aberta quanto no YouTube. Parte disso é fruto do engajamento do seu séquito, outra parte vem da chamada “torcida contrária” que queria ver o candidato sangrar (ou passar vergonha) em rede nacional.

Pode-se dizer que Bolsonaro não decepcionou nenhum dos dois segmentos. Seu discurso habitual carregado de ódio à esquerda e desrespeito a minorias estava lá, em seu habitual lugar de lugares comuns hoje banais em grupos de Whatsapp e comentários de portais e redes sociais. O presidenciável é o amálgama disso e não desagradou seu eleitorado. Por outro lado, ao falar de Vladimir Herzog, desancar José Gregori, negar ou relativizar a tortura na ditadura civil-militar, defender “licença para matar” para as polícias, causa ojeriza e repulsa de outra parcela da sociedade.

Em julho de 2015, Bolsonaro  já aparecia em uma pesquisa CNT/MDA com índices que variavam entre 4,6% e 5,5%. Pouca gente se preocupou, mas era a primeira vez que o candidato saía da margem de erro. Ocupava um espaço aberto graças, em parte, à agressiva campanha do tucano Aécio Neves no ano anterior, onde apelou para o mais raso antipetismo (que na prática tinha como alvo todo campo da esquerda ou similar) para, primeiro, chegar ao segundo turno superando Marina Silva, e depois tentar bater Dilma Rousseff. O presidenciável do PSDB, em sua empreitada, contou com a generosa ajuda da mídia que se pretende hegemônica. E também não recusou – ou até cortejou – o auxílio de páginas proto fascistas e grupos vindos dos subterrâneos das redes sociais.

Foi essa mesma mídia que ajudou a inflar os protestos contra a presidenta Dilma Rousseff. Ali, outros veículos não alinhados já denunciavam todo o caldo que incluía extremismos perigosos, saudações à ditadura e toda a agressividade que era sublimada na cobertura jornalística tradicional em nome de uma “causa maior”: alijar o grupo político que estava no governo.

O que saiu do previsto naquela altura era que o sentimento antipetista extrapolasse seus limites e se tornasse antipolítico. Alckmin e Aécio foram hostilizados em uma das manifestações pelo impeachment na Avenida Paulista. Um  estudo feito em meio ao protesto anti-Dilma de 12 de abril de 2015, 73,2% dos entrevistados diziam não confiar em partidos. Mesmo a legenda com maior apoio, o PSDB, tinha a confiança de apenas 11% dos manifestantes.

Estava aberto o caminho para Bolsonaro, que desde então cresceu, assegurando a vice-liderança nas sondagens. Ontem, os entrevistadores do Roda Viva fizeram algum esforço para desconstruí-lo. Mas é bom lembrar que o deputado não é alguém que surgiu agora. Há anos destila ódio e preconceito na Câmara dos Deputados. Em 2009, por exemplo, dizia que  “quem busca osso é cachorro”, se referindo às buscas pelos restos mortais dos guerrilheiros do Araguaia, pendurando na porta de seu gabinete uma camiseta com a mensagem: “Direitos Humanos: esterco da vagabundagem”.

Isso não causou espanto na mídia tradicional, e quase ninguém repercutiu. Em uma das perguntas feitas a ele no Roda Viva, Bolsonaro devolveu dizendo que o jornal O Globo, em editorial, havia saudado a derrubada de João Goulart, demonstrando o apoio da mídia ao golpe de 1964. Em resposta, um dos membros da bancada disse que diversos veículos fizeram mea culpa em relação a seus posicionamentos à época. Mas não há registro de nenhuma retratação, por exemplo, da Folha de S.Paulo por denominar o período da ditadura civil-militar de “ditabranda”. Isso foi dito há alguns anos, em editorial de fevereiro de 2009, e não na década de 1960…

O fato é que toda a mídia tradicional se importa muito pouco com os direitos humanos. Com direitos sociais. Com direitos, enfim. Nada mais natural que tenha problemas em afrontar Bolsonaro em um debate desses. Tome-se outro exemplo da entrevista com o candidato do PSL. Por meio de uma pergunta gravada por Frei David, da ONG Educafro, Bolsonaro é questionado a respeito do sistema de cotas. Desfila um festival de bobagens históricas e lugares-comuns sobre meritocracia.

Até observam o que disse a respeito da colonização portuguesa, mas entre os membros da bancada, onde não há nenhum negro, não se dá uma palavra sequer a respeito dos evidentes resultados do sistema de cotas no Brasil. Simplesmente porque cotas ou desigualdade racial são pautas que não interessam aos veículos comerciais que, ou se calam a respeito ou, assim como Bolsonaro, evidenciam seu posicionamento contrário ao sistema em editoriais e na sua cobertura.

Quando questionado sobre programa de governo ou iniciativas concretas que poderia tomar como presidente, o presidenciável do PSL se confunde, como aconteceu quando se aventurou a falar de saúde pública. Poderia ter sido confrontado, por exemplo, sobre seu posicionamento favorável à “reforma” trabalhista, aquela que iria criar empregos, mas que não só precarizou a mão de obra no país como foi incapaz de deter  o aumento do desemprego. Mas aí havia um problema: os veículos representados na bancada do Roda Viva também são favoráveis à dita reforma.

A falta de diversidade da composição da bancada reflete, na prática, a concentração da mídia brasileira. Essencialmente comercial, anabolizada pela falta de regulação e oligopolizada, caminha em marcha unida e em diversos pontos pensa igual a Bolsonaro. Talvez aí resida o porquê de ser tão difícil para essa mesma mídia desconstruí-lo, tarefa necessária para que o candidato do establishment, Geraldo Alckmin (PSDB), chegue ao segundo turno. Além disso, pode ser que esse mesmos veículos precisem ainda do candidato do PSL. No vale-tudo midiático, a diferença entre civilização e barbárie é mais tênue do que se enxerga.

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo