Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Ministério Público se recusa a discutir violência contra jornalistas e advogados

Ministério Público se recusa a discutir violência contra jornalistas e advogados


basta-de-violencia

 

Após a omissão no caso o pedido foi repassado para Promotoria de Justiça de Direitos Humanos Inclusão Social que indeferiu a solicitação

O Ministério Público do Estado do Estado de São Paulo recusou o pedido de reunião para discutir a violência contra os jornalistas solicitada pelo Sindicato dos Jornalistas (SJSP) e o Sindicato dos Advogados no Estado de São Paulo. A decisão foi tomada após realização de plenário no Sindicato que deliberou ações específicas para coibir o excesso de força da Polícia Militar contra os profissionais de imprensa e do direito durante a cobertura de manifestações. Além disso o MP repassou  o pedido para a Promotoria de Justiça de Direitos Humanos Inclusão Social que indeferiu a solicitação.

Para o presidente do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, José Augusto Camargo (Guto), a decisão do MP é lamentável pois ao recusar ao diálogo reafirma a postura de repressão e de liberdade de expressão adotada pelo Governo atualmente. Vivemos em um regime democrático onde o debate é uma primícia básica nas relações”argumentou Guto.

Desde o ano passado mais de cem jornalistas foram agredidos e advogados também foram impedidos de realizar seu trabalho.  A alegação para cerceamento a liberdade profissionais é de que eles são confundidos com manifestantes. A solução entrada pela polícia  foi distribuição de coletes de identificação fornecidos pela PM. A proposta foi rechaçada pelos profissionais que alegaram não ser tarefa da polícia cuidar da identificação ou posicionamento que eles devem ter para fazer o seu trabalho.

 

veja também

relacionadas

mais lidas

Skip to content