Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Manual orienta jornalistas sobre pautas LGBTI

Manual orienta jornalistas sobre como tratar temas da população LGBTI

Foto: Tomaz Silva/Agência BrasilQual é a diferença entre travesti e transexual? O que é cisgênero? O que significa a letra I na sigla LGBTI? Essas e outras dúvidas sobre a população de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e intersexuais (LGBTI) estão respondidas no  Manual de Comunicação LGBTI+, lançado nesta semana pela Aliança Nacional LGBTI e a rede Gay Latino. O público-alvo do documento são jornalistas e o objetivo é divulgar a informação correta para combater a LGBTfobia – o preconceito contra a população LGBTI.

Diretor-presidente da Aliança Nacional LGBTI, Toni Reis coordenou a preparação do documento, que baseou-se em experiências nos Estados Unidos, Colômbia e Paraguai.

“Os jornalistas são fundamentais na relação entre a nossa comunidade e a sociedade em geral”, explicou o ativista. “O jornalista muitas vezes fala homossexualismo por não estar atualizado de que o certo é homossexualidade. Às vezes, na boa intenção, fala opção sexual. E não existe opção sexual, é orientação. São dicas simples em que a gente coloca também quais são as nossas pautas”.

Para Toni Reis, a imprensa já errou muito no tratamento dado à população LGBT, mas vem corrigindo sua postura e acertando cada vez mais. “Foucault [Michel Foucault, filósofo francês] já dizia que a palavra carrega muito poder. Pode ser que a pessoa que fale ache desimportante, mas a pessoa que está ouvindo pode se sentir menos. Esse é um cuidado mínimo no relacionamento humano”.

A proposta é replicar o manual para outros países da América Latina e criar guias voltados para profissionais de outras áreas, como saúde, educação e cultura.

Esquecimento

A jornalista Camila Marins acredita que a mídia precisa dar visibilidade à população LGBT como um todo e lembrar que as siglas incluem mulheres lésbicas, bissexuais e pessoas trans. Ela destaca que as lésbicas são esquecidas nas datas comemorativas do movimento LGBT e não recebem a mesma atenção que outros grupos quando chegam suas datas específicas, como o mês da visibilidade lésbica, em agosto.

“O apagamento é sistemático”, disse ela, que também defende que é preciso que os veículos de comunicação empreguem mais mulheres lésbicas, como forma de dar mais voz a essa população. “Quando a gente faz uma matéria sobre violência contra a mulher, a gente está falando também do estupro corretivo das mulheres lésbicas?”, questiona ela.

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo