Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Jornais da Imprensa Negra Paulista ganham versão digitalizada

Jornais da Imprensa Negra Paulista ganham versão digitalizada


imprensa negra usp

 

Portal da USP reúne publicações de 1915 a 1963 da coleção organizada por Miriam Nicolau Ferrara

 

Uma coleção de jornais da imprensa negra que circularam de 1915 a 1963 tem agora a versão digitalizada das cópias em microfilme disponível para consulta no Portal da Imprensa Negra Paulista da Universidade de São Paulo (USP). O acervo é resultado da pesquisa realizada pela antropóloga Miriam Nicolau Ferrara para a dissertação de mestrado “A Imprensa Negra Paulista (1915-1963)” aprovada em 1981 na Faculdade Filosofia Letras e Ciências Humanas ( FFLCH) da USP.

O projeto de disponibilização dessas coleções já tem alguns anos e contou com apoio da Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial de São Paulo (Cojira-SP) em sua história. A primeira publicação de materiais desse acervo ocorreu por iniciativa da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo (Imesp) em 1984, quando foi lançada a coletânea Imprensa Negra, com fac símiles de alguns jornais, estudo crítico de Clóvis Moura e legendas de Mirian Nicolau Ferrara.

Em 1986, a dissertação foi publicada na coleção Antropologia – FFLCH-USP, com  prefácio de Clóvis Moura e Imprensa Negra foi relançada pela Imesp, em 2003, por iniciativa da Cojira-SP. Nos últimos anos, a pesquisadora e a comissão do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo buscaram apoios para viabilizar a digitalização do material. A concretização desse objetivo, no entanto , aconteceu por conta de uma iniciativa da professora Ana Barone (FAU-USP) e das pesquisadoras Flavia Rios (Cebrap/IFSP)  e Edilza Sotero (USP) em parceria com o Instituto de Estudos Brasileiros (IEB-USP).

Na apresentação da coletânea no site, Miriam conta que o seu interesse pelo assunto foi despertado em 1975, quando leu no extinto Jornal da Tarde a reportagem Os jornais dos netos de escravos. Foi a partir daí que ela começou a busca pelos jornais, sem obter sucesso no início. Em 1976, a pesquisadora conseguiu o contato de Jayme de Aguiar, que havia editado O Clarim da Alvorada. “Fui procurá-lo e perguntei se poderia me ajudar. Ele me olhou firmemente, levou as mãos à cabeça e disse: ‘mas filha, eu não sabia que o que eu fiz era tão importante! Me acompanhe’. No andar superior da casa, subiu em um banquinho e de cima de um armário foi tirando pacotes com os jornais. Impossível descrever o que senti naquele momento”, relata.

Esse episódio foi o primeiro contato da antropóloga com os velhos militantes da imprensa negra paulista, que passaram a ser entrevistados para a dissertação. Entre eles, estavam José Correia Leite, Francisco Lucrécio, Raul Joviano do Amaral, Henrique Cunha, Pedro Paulo Barbosa e Ironides Rodrigues. O projeto contou também com contribuições do jornalista e escritor Oswaldo de Camargo (um dos fundadores da Cojira-SP), editor da Revista Niger, que integra o acervo, e do professor  Clovis Moura, um dos principais pesquisadores da questão racial no Brasil. 

Os exemplares originais do material coletado em campo durante a pesquisa foram microfilmados e depositados no Instituto de Estudos Brasileiros (IEB-USP). Outra parte desse material foi direcionada para o Centro de Documentação e Memória (Cedem) da UNESP – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. O link para acesso ao  Portal da Imprensa Negra Paulista da Universidade de São Paulo está disponível aqui e  no blog da Cojira SP.

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo