Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

“Estão em jogo no país o desmonte do Estado e a estabilidade do funcionalismo”, afirma Douglas Izzo

“Estão em jogo no país o desmonte do Estado e a estabilidade do funcionalismo”, afirma Douglas Izzo


Presidente da CUT-SP falou durante ato unificado dos servidores, realizado na Av. Paulista

Trabalhadores dos serviços públicos do estado de São Paulo se uniram na última sexta-feira, 27, para pedir um basta na desvalorização da categoria e no sucateamento do setor. Durante todo o dia, diversas ações foram realizadas para alertar a população sobre os desmandos promovidos pelos governos municipal, estadual e nacional. Um ato, realizado na Avenida Paulista, fechou a agenda do dia.

As atividades foram organizadas pelas centrais sindicais CUT, CTB, Nova Central, Intersindical, Força Sindical, Pública e CSP-Conlutas e teve apoio dos movimentos que integram a Frente Brasil Popular.

Geraldo Alckmin (PSDB), no governo do estado, e João Doria (PSDB), na prefeitura da capital, têm promovido o sucateamento dos serviços públicos em São Paulo e ameaçado entregar as empresas públicas aos empresários por meio de privatizações.

No começo de outubro, Alckmin enviou à Assembleia Legislativa o Projeto de Lei 920/2017, que prevê a limitação dos investimentos públicos por dois anos, impactando setores da saúde, educação e demais serviços. O PL sofre ataques até dos deputados da base do governador.

Já no cenário nacional, com o golpista Michel Temer (PMDB) na Presidência, também estão em risco diversas estatais, como as dos setores financeiro, petrolífero e de telecomunicações. Soma-se a isso o congelamento dos investimentos nos serviços e as reformas nas leis trabalhistas que penalizam os servidores.

Presidente da CUT-SP, Douglas Izzo lembrou que há três anos não há reajuste salarial pelo governo estadual e que o PL pretendido afetará toda a população. “Estão em jogo no país o desmonte do Estado e a estabilidade do funcionalismo. E, no estado de São Paulo, o PL 920, de Alckmin, representa a retirada de direitos, o que afetará não apenas os servidores, mas toda a população. Não vamos permitir que mexam em nossos direitos.”

Pelo Sindsep, o presidente da entidade, Sergio Antiqueira, criticou a omissão de João Doria sobre os recursos municipais. “Doria tem  11 bilhões guardados em caixa e ele vem falar de déficit? Décifit há, mas de serviço, educação, segurança, saúde. É pra isso que estamos na rua. Para cobrar valorização do servidor e qualidade nos serviços. A gente vai construir um grande movimento de unidade para enfrentar esses ataques.”

Anulação da reforma

Por São Paulo, sindicatos de diversas categorias também foram às ruas para coletar assinaturas para o abaixo-assinado que pede a revogação da reforma Trabalhista. A campanha é promovida pela CUT e tem como meta 1,3 milhão de assinaturas.

Participaram da ação entidades do interior, Baixada Santista, Grande São Paulo e capital. Na Avenida Paulista, durante o ato unificado, os participantes também aproveitaram para buscar apoio ao projeto.

Petrobras

Nesta sexta, o governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB) derrubou uma liminar que havia suspendido o leilão de lotes do Pré-Sal e fez a entrega dos campos de exploração a empresas estrangeiras por R$ 6,15 bilhões – o governo esperava R$ 7,75 bi.

Petroleira e secretária de Juventude da CUT-SP, Cibele Vieira comentou sobre o impacto dessa venda nas políticas públicas, sobretudo na saúde e educação. “Os lotes foram vendidos a preço de banana, por R$ 0,01 centavo o litro do petróleo. Esse é o preço pelo qual estamos entregando nossas riquezas ao invés de usá-los para o desenvolvimento nacional”.

Escrito por: Rafael Silva – CUT São Paulo
Foto: Dino Santos

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo