Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Dieese: reforma trabalhista é retrocesso da proteção social

Dieese: reforma trabalhista é retrocesso da proteção social


Projeto em tramitação no Senado, se implementado, resultará em “drástica redução de direitos e no desmantelamento do sistema de relações de trabalho”

O projeto de  “reforma” da legislação trabalhista, aprovado na Câmara e agora no Senado, representa um “retrocesso da proteção social ao trabalho aos primórdios do processo de industrialização no país”, afirma o Dieese em análise sobre o texto. Para o instituto, na prática o projeto de lei, se implementado, resultará em “ drástica redução de direitos e no desmantelamento do sistema de relações de trabalho” em vigor desde o surgimento da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em 1943.

Segundo a análise do instituto, divulgada nesta semana, a proposta governista trará “substancial redução do papel do Estado em relação à proteção ao trabalhador, o que deve piorar as condições de vida e trabalho”, além de reduzir a capacidade de negociação dos sindicatos, em um cenário econômico extremamente adverso. “ O projeto, portanto, reverte de forma cabal, os fundamentos legais, políticos e ideológicos que orientaram, até agora, as relações entre Estado, capital e trabalho no país.”

Em resumo, para o Dieese, o projeto institui um marco regulatório “altamente favorável aos interesses das empresas”. Com isso, reverte a lógica que inspirou a criação da legislação trabalhista, de caráter mais protetivo ao trabalhador, “ainda que permeada por uma visão conservadora a respeito dos direitos coletivos de organização e representação”.

O instituto destaca cinco fundamentos do projeto: revogação do princípio de proteção ao trabalhador perante o empregador; redução do poder de negociação e de contratação coletiva dos sindicatos; autorização para o rebaixamento de direitos previstos em lei; ampliação de possibilidade de contratos atípicos e de trabalho autônomo; e restrição à atuação do Poder Judiciário e também do acesso dos trabalhadores à Justiça.

Além disso, o texto  estabelece uma forma de “blindagem patrimonial”, como define o Dieese, ao limitar o conceito de grupo econômico – de forma a restringir a cobrança de passivos trabalhistas. “Com isso, favorece a criação de empresas com ‘sócios laranja’ e dificulta a recuperação de débitos trabalhistas e previdenciários.”

A Câmara aprovou o substitutivo ao Projeto de Lei 6.787, elaborado pelo deputado Rogério Marinho (PSDB-RN). O texto, agora como PLC 38, começou a tramitar no Senado.

 

Escrito por: Redação RBA (Rede Brasil Atual)

Foto: Cacmdfilho/CC-Wikimedia

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo