Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Berzoini e FNDC discutem marco regulatório das comunicações

Berzoini e FNDC discutem marco regulatório das comunicações


berzonini 2

 

O ministro das Comunicações, Ricardo Berzoini, recebeu na última quarta-feira (28), em Brasília, membros da Coordenação Executiva do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC). O objetivo do encontro, solicitado pelo FNDC, foi discutir políticas públicas para ampliar a liberdade de expressão e o direito à comunicação no país.

Na avaliação dos movimentos sociais, a ausência de pluralidade e diversidade no sistema midiático brasileiro revela a necessidade de um novo marco regulatório para o setor de comunicações. Ao contrário de países democráticos como Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Espanha e Argentina, entre outros, o Brasil pode ser caracterizado, atualmente, por uma brutal concentração dos meios de comunicação, tanto na radiodifusão quanto nos veículos impressos.

Uma das propostas apresentadas ao ministro foi o Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Mídia Democrática. Elaborado por dezenas de organizações da sociedade civil, o projeto é resultado do conjunto de propostas debatidas há anos pelo movimento social e sistematiza, em proposta regulatória, uma parte importante das medidas aprovadas na I Conferência Nacional de Comunicação, em 2009.

O projeto de lei trata, por exemplo, da regulamentação dos artigos da Constituição Federal que proíbem monopólio e oligopólio nas comunicações, o controle de emissoras por políticos, a promoção dos direitos humanos na mídia, a distribuição transparente de concessões de rádio e televisão, o fortalecimento das mídias públicas e comunitárias, regionalização da produção e da programação, entre outros.

“Enfrentar as disputas em torno de mudanças estruturais no setor de comunicação não será tarefa simples. É um desafio que exigirá decisão política do governo federal, além de mobilização e participação popular na elaboração e acompanhamento das políticas públicas de comunicação”, avalia Rosane Bertotti, coordenadora-geral do FNDC.

A atual gestão da Coordenação Executiva do FNDC é composta pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé, Intervozes, Federação Interestadual dos Trabalhadores em Empresas de Rádio e Televisão (Fitert), Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) e Associação das Rádios Públicas do Brasil (Arpub) e Conselho Federal de Psicologia (CFP).

Já o Conselho Deliberativo ( http://www.fndc.org.br/conteudo/conselho-deliberativo-do-forum/) do Fórum reúne 30 entidades com atuação nacional, entre movimentos populares, estudantis, de radiodifusão comunitária, de radiodifusão pública, entre outros. Ao Conselho, que se reúne duas vezes ao ano, cabe definir o programa político do FNDC. Além disso, o Fórum congrega mais de 300 entidades em todo o país e está organizado em 22 Comitês Estaduais ou Regionais pela Democratização da Comunicação.


Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Texto: FNDC

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo