Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

A mulher jornalista e a reforma da Previdência é tema de debate no Sindicato nesta terça-feira (7). Participe!

A mulher jornalista e a reforma da Previdência é tema de debate no Sindicato nesta terça-feira (7). Participe!


“A mulher jornalista e reforma da Previdência” é tema do debate que o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) realiza nesta terça-feira (7), às 19h30, no Auditório Vladimir Herzog.

O objetivo é discutir como as mulheres jornalistas serão afetadas caso seja aprovada a reforma da Previdência Social, que tramita no Congresso como Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 287.

O déficit na Previdência é mito ou verdade? O que muda de acordo com a idade? A PEC vai garantir ou não o direito à aposentadoria integral? A atividade também visa esclarecer essas questões.

O debate terá a participação de Adriana Marcolino, técnica do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), e de Junéia Batista, secretária da Mulher Trabalhadora da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

A medida vai afetar jornalistas homens e mulheres porque estabelece uma idade e tempo de contribuição mínimos para se aposentar. A categoria já havia perdido o direito à aposentadoria especial, aos 30 anos de trabalho para homens e 25 anos de trabalho para as mulheres, com a revogação da Lei nº 3.529/59 em 1997. Agora, caso a PEC 287 seja aprovada, os jornalistas serão penalizados novamente.

Contudo, as mulheres jornalistas serão ainda mais prejudicadas porque a PEC 287 iguala a idade e o tempo mínimo de contribuição para aposentadoria de homens e mulheres, ignorando as desigualdades de gênero históricas existentes no Brasil e, ainda, a dupla e até tripla jornada enfrentada pelas trabalhadoras.

“A reforma previdenciária vai prejudicar a todos, mas para as mulheres jornalistas é particularmente cruel. O aumento no tempo de contribuição será ainda maior do que para os homens, num cenário em que, nos últimos 10 anos, aumentou a jornada semanal. Nós trabalhamos, em média, cinco horas a mais do que ele”, afirma Priscilla Chandretti, diretora do SJSP.

Para homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45, a PEC aumenta de 15 para 25 anos o tempo mínimo de contribuição e define os 65 anos como idade mínimo para aposentadoria. No caso dos homens acima dos 50 e das mulheres acima dos 45 anos, a proposta estabelece uma regra de transição com acréscimo de 50% sobre o tempo de contribuição que faltaria para se aposentar.

Acesse o “ aposentômetro” e calcule como ficará seu tempo de trabalho e de contribuição caso a reforma da Previdência seja aprovada.

Confirme sua presença e acompanhe outras informações sobre o evento.


SERVIÇO
A mulher jornalista e a reforma da Previdência
Dia: 7 de março (terça-feira)
Horário: 19h30
Local: Auditório Vladimir Herzog do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Rua Rego Freitas nº 530 – Sobreloja – Centro (Metrô República)
Informações: (11) 3217-6299

Escrito por: Flaviana Serafim – Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo

 

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo