Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Seis são indiciados por assassinato de radialista em Goiás

Vereador e outras cinco pessoas são indiciadas por assassinato de radialista em Goiás

O radialista Jefferson Pureza Lopes. Foto: Reprodução/FacebookA Polícia Civil do Estado de Goiás entregou à Justiça brasileira no dia 4 de abril o inquérito finalizado sobre o  assassinato do radialista Jefferson Pureza, morto na cidade de Edealina em 17 de janeiro deste ano. A investigação policial concluiu que o vereador José Eduardo Alves da Silva, do Partido da República (PR),  foi o mandante do crime e deve ser acusado por homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil e mediante pagamento, segundo reportou o G1.

Além de Alves da Silva, também foram indiciados outros dois homens e três adolescentes –dois dos adolescentes teriam cometido o crime, invadindo a casa de Pureza e disparando os três tiros que o mataram, concluiu a investigação.

Segundo o delegado Queops Lourdes Barreto Silva disse ao G1, o  político era desafeto do radialista, por conta das críticas feitas em seu programa de rádio. No entanto, o estopim para o assassinato foi a descoberta de que Pureza estava se relacionando com a ex-esposa do vereador, afirmou Barreto Silva.

“Ele planejou matar o radialista no início do ano passado, mas isso não se concretizou na época”,  disse o delegado. “A partir do momento que descobriu o relacionamento [o vereador] foi até dois maiores e um menor, que o levaram até os dois adolescentes que foram pagos para executar o homicídio”, afirmou, acrescentando que o vereador também planejou o assassinato da ex-esposa, que não foi concretizado.

Os dois adolescentes  teriam recebido R$ 5 mil e a arma usada no crime para assassinar o radialista, reportou o G1. Eles e outro adolescente que teria intermediado a negociação do crime, segundo a Polícia, devem responder por ato infracional análogo a homicídio.

O lavrador Marcelo Rodrigues dos Santos e o comerciante Leandro Cintra da Silva, que segundo a polícia  intermediaram a negociação entre o vereador e os adolescentes para o crime, devem responder por homicídio e por corrupção de menores, informou o G1.

O vereador e os outros suspeitos foram  detidos em 9 de fevereiro por suposto envolvimento no assassinato. Eles seguem presos e, segundo o delegado, negam a autoria do crime, conforme reportou o Jornal Opção. “As investigações concluíram que o crime teve motivações políticas e passional. Nenhum dos acusados chegou a confessar o crime, mas a polícia não tem dúvida do envolvimento direto dessas pessoas no assassinato”, disse Barreto Silva.

Jefferson Pureza  conduzia o programa “A Voz do Povo”, na rádio Beira Rio FM, no qual denunciava supostas irregularidades da administração pública e criticava autoridades municipais e regionais. Segundo amigos dele  afirmaram à imprensa na época do assassinato, o radialista vinha  recebendo ameaças há pelo menos dois anos por seu trabalho. Quando foi assassinado, Pureza trabalhava nas obras para reconstruir a sede da rádio que transmitia seu programa,  destruída por um incêndio em novembro de 2017 – o segundo em menos de um ano.

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo