Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

FIJ divulga relatório sobre assassinatos de jornalistas em 2021

FIJ divulga relatório sobre assassinatos de jornalistas em 2021

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) publicou hoje (9/02) o relatório mais abrangente sobre jornalistas e funcionários da mídia mortos em incidentes relacionados ao trabalho em todo o mundo durante 2021.

O relatório anual, em sua 31ª edição, detalha as circunstâncias dos 47 assassinatos ocorridos durante ataques direcionados, bombardeios e incidentes de fogo cruzado, bem como duas mortes acidentais.

Este é o quinto menor número de mortos desde que a FIJ começou a publicar relatórios anuais sobre assassinatos de jornalistas em 1990 e eleva o total para 2.725 jornalistas e trabalhadores da mídia que perderam suas vidas devido à violência no mundo desde então. 2021 registrou 18 mortes a menos do que no ano anterior (65).

Apesar desta diminuição, 2021 foi também um ano em que as ameaças contra os jornalistas e a liberdade de imprensa registaram um aumento significativo. A FIJ registrou um número recorde de jornalistas detidos, com 365 profissionais atrás das grades por causa de suas reportagens, um aumento considerável em relação aos 235 registrados no ano anterior. Esse ataque à liberdade de imprensa teve um efeito assustador na mídia.

Comumente, jornalistas são presos e acusados ​​de irregularidades por simplesmente cobrir protestos ou tentar reportar a crise do coronavírus, ambos assuntos de grande interesse público.

Em 2021, também descobrimos uma ameaça à liberdade de imprensa na forma do Pegasus, o software de espionagem para vigilância por meio de telefones celulares que foi usado para atingir jornalistas, entre outros. Com sua capacidade de espionar conversas telefônicas, acessar contatos e e-mails sem levantar uma única suspeita do proprietário, o Pegasus destruiu a segurança da maioria dos dispositivos portáteis. A confidencialidade das fontes e a privacidade das comunicações pessoais dos jornalistas não podem mais ser tidas como garantidas.

Mulheres jornalistas

Este ano, pelo menos sete mulheres jornalistas foram mortas no curso de seu trabalho em todo o mundo. O Afeganistão é o país que paga o preço mais alto. O Conselho de Gênero da FIJ está particularmente preocupado com a situação das mulheres jornalistas afegãs e acredita que os esforços devem ser redobrados para proteger suas vidas e as de suas famílias e instou a ação internacional para abordar a situação crítica das mulheres jornalistas afegãs, que são particularmente visadas pelo Talibã.

A FIJ também condena o assédio online de mulheres jornalistas em todo o mundo e pede às redações, plataformas online e governos que tomem medidas para implementar soluções sustentáveis ​​para erradicar esse flagelo.

Fundo para jornalistas em perigo

Em 2021, o  Fundo Internacional de Segurança da FIJ continuou a ajudar jornalistas e equipes de mídia e seus familiares dos quatro cantos do mundo a atender a várias necessidades.

O Fundo de Segurança Internacional da FIJ pagou mais de 90.000 Euros para ajudá-los a se mudar para um local seguro, receber tratamento médico ou pagar assistência jurídica. O Fundo de Segurança prestou apoio em 2021 em:

  • Nigéria : Subsídio humanitário a um jornalista que precisava de uma operação ocular.
  • Haiti : Tratamento médico para um jornalista e apoio para cobrir os custos de relocação de um segundo jornalista para escapar do perigo em seu próprio país.
  • Afeganistão : Apoio a dezenas de jornalistas por diversos motivos, como alimentação, assistência médica e realocação para áreas seguras.
  • Mianmar : Apoio financeiro a um jornalista que foi vítima de brutalidade policial durante manifestações pró-democracia.
  • Filipinas : Outro jornalista refugiado no exílio por causa de ameaças recebeu assistência para cobrir os custos do processo administrativo necessário para residência no país.
  • Bielorrússia : Apoio financeiro a 8 jornalistas no exílio, incluindo assistência à realocação e ajuda com custos de vida diários.
  • França : O Fundo de Segurança contribuiu para os custos de representação legal em um caso apresentado por uma jornalista por ameaças à sua integridade física e segurança.
  • Turquia : Um jornalista no exílio recebeu ajuda financeira para as despesas de subsistência.
  • Palestina : Dois jornalistas receberam assistência médica após serem feridos enquanto cobriam confrontos e protestos.
  • Iémen : Apoio a jornalistas para cobrir despesas médicas

Leia o relatório completo

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo