Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Câmara pode dar nome de Dom Paulo à Pça da Sé

Câmara Municipal pode dar nome de Dom Paulo à Praça da Sé

O cardeal em celebração na Sé: identificação com a história do Brasil e a defesa dos direitos humanos A Câmara Municipal paulistana está prestes a aprovar projeto que acrescenta o nome de Dom Paulo Evaristo Arns à Praça da Sé. O PL 2, de janeiro, foi aprovado nesta semana em primeira votação. O cardeal-arcebispo morreu há um ano, em 14 de dezembro. 

O vereador Eduardo Suplicy (PT) acredita que a proposta deve ser apreciada até a próxima terça-feira (19). “A Praça da Sé tem muito a ver com a história de São Paulo e do Brasil, e ele era um grande batalhador pela democracia e pelos direitos humanos”, afirma Suplicy, que também assina o projeto, apresentado originalmente por Arselino Tatto, do mesmo partido. Certa demora na tramitação, acredita, deve-se ao fato de o Parlamento ter dado prioridade a projetos do Executivo, para só depois apreciar propostas dos vereadores.

Ele fez menção ao documentário Coragem – As muitas vidas do cardeal Dom Paulo Evaristo, do jornalista Ricardo Carvalho, que entrou em cartaz  no último 14 de dezembro. Suplicy esteve na pré-estreia, na última segunda-feira. E cita também  a biografia Dom Paulo – Um homem amado e perseguido, de Evanize Sydow e Marilda Ferri, relançado ontem. “Se precisar de uma justificativa (para a aprovação), basta ver aquele filme e ler a história.”

O vereador e ex-senador concorda com a afirmação, feita no documentário, de que a ditadura “começou a cair” na missa em memória do jornalista Vladimir Herzog, o Vlado, morto sob tortura em 1975. A missa foi celebrada justamente na Catedral da Sé, por Dom Paulo, ao lado do rabino Henry Sobel e do pastor presbiteriano Jaime Wright. “Eu estava lá. Foi algo historicamente muito importante para o Brasil”, lembra.

Também na Sé foi celebrada missa pelo estudante Alexandre Vannucchi Leme, assassinado em 1973. E para lá, vindo da Igreja da Consolação, foi levado o corpo do operário Santo Dias da Silva, alvejado por um tiro de policial durante piquete de metalúrgicos em 1979.

Na Comissão de Constituição e Justiça, o projeto, que teve Sandra Tadeu (DEM) como relatora, foi aprovado por unanimidade. Posteriormente, em parecer conjunto das comissões de Política Urbana, Educação e Finanças, também teve aprovação de todos os parlamentares. Na primeira deliberação em plenário, na última segunda-feira (11), a votação foi simbólica – mesmo assim, teve um posicionamento contrário, de Fernando Holiday (DEM).

Nascido em 1921 em Forquilhinha (SC), Arns foi ordenado em 1945 e designado bispo auxiliar em São Paulo em 1966. Cardeal desde 1973 (Papa Paulo VI), tornou-se arcebispo metropolitano em 1970, até 22 de maio de 1998.

veja também

relacionadas

mais lidas

Pular para o conteúdo