Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo
Logo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo
Logo da Federação Internacional de Jornalistas
Logo da Central Única dos Trabalhadores
Logo da Federação Nacional de Jornalistas

Sample Category Title

SJSP repudia censura do Grupo Tribuna a jornalista com 30 anos de casa

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) manifestam integral solidariedade e apoio ao jornalista e dirigente sindical Ernandes Caires, que sofreu suspensão de três dias pelo Grupo Tribuna por expressar opinião política no seu perfil pessoal em uma rede social.Ernandes, que é diretor de base do SJSP, trabalha há três décadas no Grupo Tribuna e sempre cumpriu com suas obrigações profissionais, sendo merecedor da estima de colegas e da sociedade da Baixada Santista.O Grupo Tribuna alega que o jornalista teria violado as normas de conduta da empresa ao exprimir sua opinião a respeito de conhecida pré-candidata à Prefeitura de Santos. No entanto, o regulamento interno de uma empresa não pode se sobrepor ao direito constitucional de livre manifestação do pensamento, que também abrange os jornalistas como cidadãos (artigo 5º, inciso IV da Constituição Federal).O Sindicato solicitará à empresa uma reunião para tratar do assunto, com a devida urgência, visto que a medida adotada contra esse profissional é inaceitável por ferir toda a categoria dos jornalistas e por afrontar um direito constitucional.O SJSP envidará todos os esforços para que a suspensão seja cancelada e conclama a categoria a solidarizar-se...

Queremos proposta digna!

Jornalistas de jornais e revistas de todo o interior Estado de São Paulo aguardam contraproposta do patronal diante do pleito definido na última assembleia da categoria.Em 19 de junho, jornalistas rejeitaram, por unanimidade, a proposta do Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas no Estado de São Paulo (SindJori) e apresentaram a seguinte reivindicação: Reajuste de 10%, que sobre o aplicado é acrescido 3,34%, (correspondente à inflação do período de 1º de junho de 2023 a 31 de maio de 2024), totalizando índice 13,67% nos salários e demais cláusulas econômicas. Manutenção de todas as cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) 2021, inclusive PLR. Vigência da convenção para o período de 1/06/24 a 31/05/25. Embalagem diferente, recheio igualHá quase um mês que o SindJori se limita a enviar, em versões diferentes, a mesma proposta anterior a 19 de junho (rejeitada pela categoria), insistindo em morder mais um ano de convenção, uma vez que sugere apenas 10% de reajuste para uma CCT com vigência até 31 de maio de 2025!!Exigimos um real movimento de negociação do SindJori e proposta digna para discutir em assembleia.VEJA A MATÉRIA ANTERIOR Mobilização à vista!O patronal tenta puxar a corda ao máximo. E a categoria precisará mostrar toda a...

Sai de cena Luiz Chagas

No último dia 9 de julho, nos deixou Luiz Sampaio Chagas (1952-2024). Jornalista, instrumentista, compositor e tradutor, Chagão, como carinhosamente lhe chamavam, tem uma enorme importância para a música paulistana, não só como um dos articuladores da vanguardista lira paulistana, um movimento cultural brasileiro ocorrido na cidade de São Paulo entre 1979 e 1985, mas como parceiro de Itamar Assumpção, na banda Isca de Polícia.Crítico artístico, literário e musical, Luiz era, sem meias palavras, um “gênio da escrita”, um dos melhores repórteres de Cultura deste país e com quem tive o prazer de trabalhar na Revista Istoé. Dentre as mais diversas personalidades que entrevistamos (à época eu trabalhava como repórter fotográfico) a que mais me marcou foi a conversa dele com o cantor e compositor Erasmo Carlos (1941-2022). Recordo-me com efeito, nunca ouvi tanto a palavra “bicho”.Brincadeiras à parte, aqui cabe dizer que desde que conheci o Luiz Chagas, e lá se vão anos, achava que ele era mesmo o “Tremendão” da Lapa de Baixo - bairro onde fica a revista ISTOÉ, na capital paulista. Luiz tinha um estilão, uma inteligência e talento ímpares. “Tinha uma ironia permanente, um aparente desdém pelas disputas por furo ou espaço, tão comuns...

Empresas de jornais e revistas da capital enviam nova proposta à categoria: Sindicato convoca assembleia nesta terça-feira, 16, às 10h30

Após a categoria rejeitar por unanimidade a última proposta enviada pelos patrões na Campanha Salarial de Jornais e Revistas da Capital, as empresas contataram o Sindicato dos Jornalistas para apresentar uma nova proposta: Reajuste de 3,5% no piso de 5 horas (valor corrigido R$ 4.425,40) Concordância em discutir o piso de 7 horas e a questão do "pisinho" em Comissão Paritário Para salários até R$ 15.000,00 - reajuste de 3,34% Para Salários superiores a R$ 15.000,00 - reajuste fixo de R$ 501,00 Cláusulas econômicas reajustadas em 3,34% Vale-Refeição reajustado em 4% (com valor diário de R$ 26,50) Abono indenizatório referente ao índice de reajuste de junho Diante desta nova proposta, o Sindicato convoca a categoria para participar de assembleia virtual nesta terça-feira, 16 de julho. A reunião ocorrerá pelo Google Meet, e o link será enviado nos grupos de WhatsApp do Sindicato com as redações, ou pode ser solicitado pelo número (11) 91372-7285.

DOSSIÊ GENOCÍDIO EM GAZA – Edição de 12 de julho

Israel está atacando massivamente e voltou a assassinar civis palestinos em Gaza em grande escala nos últimos dias. Várias escolas mantidas pela UNRWA, organismo da ONU, foram atacadas por bombardeios aéreos israelenses, conforme revelado por vídeos chocantes, como este, que mostra dezenas de crianças mortas e feridas. Como sempre, o pretexto é a suposta presença de combatentes do Hamas.Neste momento, pelo menos 38.345 palestinos foram assassinados(as) em Gaza e 88.295 feridos(as) desde o início da guerra. Além disso, o Exército de Israel vem matando palestinos também na Cisjordânia. Ao mesmo tempo, parecem progredir as chances de um acordo entre Israel e Hamas, apesar da sabotagem do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu e de seus aliados da extrema-direita. Agora está provado: a “diretriz Hannibal” foi aplicada pelas forças de Israel em pelo menos 3 locais no dia 7 de outubro. Confira na minuciosa reportagem do jornal israelense Haaretz disponível aqui “Ataque mortal israelense em escola transformada em abrigo no sul de Gaza”. Pelo menos 30 palestinos foram mortos depois que a aviação israelense bombardeou uma escola que abrigava civis deslocados em Khan Younis. Foi o quarto ataque desse tipo em apenas dois dias, como lembrou a reportagem da Al Jazeera. Você também pode conferir...

#8BlogProg: Comunicação e juventude em debate

A juventude esteve no centro das discussões sobre a comunicação no Brasil durante o oitavo BlogProg na manhã deste sábado, ocorrido no auditório do Sindicato dos Jornalistas em São Paulo. A discussão acalorada contou com a participação de Emília Mazzei do Projeto Jovens Comunicadores do Governo da Bahia, Anderson Moraes do Jornal Empoderado e Marina Caixeta do Portal Desacato. Tatiana Carlotti | Fórum 21 A mesa contou com mediação de Basílio Carneiro, do portal Folha da PB.com.br, que destacou a importância da juventude na luta pela comunicação, lembrando que “o fortalecimento da democracia só vai se dar quando a Mídia Alternativa Progressista tiver sua estrutura para trabalhar”.  E, também, de Luísa Souto, do Núcleo Piratininga de Comunicação do Rio de Janeiro, fundado há 30 anos, com o objetivo de fortalecer a comunicação da classe trabalhadora.  “Comunicação é um direito humano” Emília Mazzei, do Projeto Jovens Comunicadores do semiárido, apresentou o projeto de comunicação e juventude que vem sendo desenvolvido pelo Governo da Bahia junto às juventudes rurais.  Na Bahia, onde 70% da população vive no semiárido e as atividades estão ligadas à agricultora familiar, um dos grandes problemas é o êxodo da juventude rural. O projeto visa, portanto, criar oportunidades para que esses jovens permaneçam no...

NOTA DE REPÚDIO: Por que um dos maiores jornais do país quer argumentos a favor do PL do Estupro?

Chegou ao conhecimento da Comissão de Mulheres da Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) na quinta-feira (4/07) que, em processo seletivo para a contratação de jornalista na área de saúde, o jornal Folha de S.Paulo apresentou a seguinte questão discursiva aos candidatos e candidatas: “Imagine que você seja a favor do PL Antiaborto por Estupro. Escreva um texto opinativo defendendo a sua posição. Coloque um título. Tamanho: até 2.500 caracteres, contando espaços.” Assim como a jornalista que tornou pública a questão, esta Comissão mostra-se indignada que um dos maiores jornais do país trate como questão de opinião um projeto de lei claramente misógino, que regride em direitos adquiridos pelas brasileiras desde 1940 e coloca em risco a vida de meninas e mulheres, revitimizando-as em casos de estupro. Afinal, por que o referido jornal quer coletar argumentos a favor do PL do Estupro, ou da Gravidez Infantil, como vem sendo chamado, corretamente, pelos movimentos sociais contrários ao texto? Em uma sociedade patriarcal e machista, afetada pela desinformação, o jornalismo precisa compreender sua responsabilidade em afetar posicionamentos e vidas. Tratar como “opinião” um tema de saúde pública não contribui para um debate saudável, pautado no respeito às mulheres e avanço nos direitos. Deixamos aqui nosso repúdio...

DOSSIÊ GENOCÍDIO EM GAZA – Edição de 2 e 3 de julho

O Exército de Israel ordenou que os palestinos que vivem nas áreas orientais de Khan Younis, a segunda maior cidade de Gaza, saiam urgentemente para uma “zona humanitária” não especificada, reportou a rede Al Jazeera, do Qatar. A vizinha al-Mawasi, para onde as ordens do Exército direcionaram as pessoas no passado, sofre ataques israelenses frequentes.Pesados ​​combates de rua continuam no norte e sul de Gaza, bem como na Cisjordânia ocupada, com ambos os lados alegando infligir baixas significativas às forças do outro. Tanques israelenses avançam em direção ao distrito de Shujayea, na Cidade de Gaza, prendendo civis durante batalhas intensas, com combatentes palestinos lançando ataques contra tropas invasoras no sul de Rafah.Não há sinal de acordo a curto prazo entre Israel e o Hamas, principal força combatente da resistência palestina em Gaza. Apesar disso, os generais do Exército de Israel defendem uma trégua com o Hamas, segundo relata o The New York Times.“As Forças de Defesa de Israel (FDI) elevaram a patente que um oficial comandante deve ter antes de aprovar o assassinato de palestinos que participaram do massacre de 7 de Outubro, mas que não fazem parte do Hamas ou da Jihad Islâmica”, relatou o jornal Haaretz...
Pular para o conteúdo