Solidariedade ao jornalista José Maschio, o Ganchão, contra as tentativas de censura e intimidação

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) recebeu com indignação a notícia de que o jornalista José Maschio, mais conhecido por Ganchão pelos colegas, foi indiciado pela Polícia Civil do Paraná por simplesmente cumprir seu dever profissional. Maschio noticiou o fato de que uma magistrada da cidade de Londrina participou dos protestos antidemocráticos do dia 7 de setembro, que pediam, inclusive, o fechamento do STF. 

O jornalista, que também é diretor do Sindicato dos Jornalistas do Norte do Paraná, publicou em primeira mão a foto da juíza posando com um cartaz que exibia os dizeres "Supremo é o povo", um slogan utilizado por grupos bolsonaristas em apoio às ameaças de Jair Bolsonaro contra os ministros do STF. 

A relevância jornalística deste fato fala por si só. Mas, apesar disso, José Maschio foi obrigado a prestar depoimento na delegacia após a juíza registrar Boletim de Ocorrência alegando que o jornalista divulgou suas fotos indevidamente. 

Para espanto daqueles que defendem a livre atuação jornalística e condenam ameaças e censuras, a Polícia Civil do Paraná decidiu indiciar Maschio, levando o processo ao Ministério Público. 

O SJSP se solidariza com o Ganchão e todas e todos os profissionais que diariamente são ameaçados e sofrem diferentes pressões em tentativas de silenciar o trabalho jornalístico. Ficamos à disposição deste grande colega de profissão e dirigente sindical e prestamos solidariedade ao Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Norte do Paraná, permanecendo à disposição para se somar a esta e as demais lutas contra qualquer tipo de censura.