SJSP obtém compromisso de que problemas no Oeste Notícias serão sanados

Diretores do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo e do jornal Oeste Notícias se reuniram na última terça-feira (18) em Presidente Prudente para...

Diretores do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo e do jornal Oeste Notícias se reuniram na última terça-feira (18) em Presidente Prudente para tratar de problemas como assédio moral e não pagamento de horas extras. A empresa se comprometeu a resolver os problemas.

O encontro se deu na sede do jornal e contou com a participação do secretário do Interior do SJSP, Edvaldo Antonio de Almeida e do dirigente de Presidente Prudente, Geraldo Gomes. Wagner César Silva participou pela empresa juntamente com um representante do RH.


No encontro, Wagner afirmou ser o único representante autorizado a falar em nome da empresa, já que anteriormente, o gerente de jornalismo, Ulisses de Souza, assumia para si esta função.

Na reunião, os diretores do Sindicato abordaram dois problemas considerados mais graves no jornal: o parcelamento de horas extras e o problema de assédio moral contra os trabalhadores. O representante da empresa disse ter tomado conhecimento do caso apenas pela matéria postada no site do SJSP e afirmou que “nunca houve qualquer tipo de parcelamento de horas extras”, mas que “o controle das mesmas é muito rigoroso, devido a má fase financeira pela qual a empresa atravessa”. Ele também afirmou desconhecer qualquer prática de assédio moral e que tal prática é repudiada pela direção da empresa.

Já o dirigente do SJSP, Edvaldo de Almeida, defendeu a importância de Sindicato e empresa construírem canais de diálogo permanente para que os problemas sejam solucionados. Além disso, o dirigente solicitou que a empresa tome medidas imediatas para resolver as dificuldades vividas pelos jornalistas vítimas de assédio moral, que foram denunciadas pelos próprios trabalhadores e propôs medidas, como um canal interno de denúncias, através de e-mail, por exemplo, em que garanta o anonimato do denunciante.

Entre as medidas, Edvaldo propôs também a criação de uma rotina de esclarecimento e informação, que seria destinada a todos os funcionários da empresa e principalmente às chefias. Dessa forma todos poderão identificar práticas que podem ser qualificadas.