Racismo reverso não existe: SJSP e Fenaj apoiam posicionamento de jornalistas da Folha

Leia a carta aberta assinada por quase 200 jornalistas da Folha de S.Paulo, que criticam uma série de conteúdos racistas presentes nas páginas do jornal

Por Redação - Sindicato dos Jornalistas de São Paulo

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) saúdam e prestam total apoio aos quase 200 jornalistas da Folha que escreveram uma carta aberta à direção do jornal criticando o posicionamento editorial da empresa a respeito da questão racial. 

No último domingo (16), o jornal publicou artigo de Antônio Risério, que abordava o suposto "racismo de negros contra brancos". Em resposta, os profissionais da empresa demonstraram preocupação com o padrão editorial adotado pela direção da Folha, que nos últimos meses publica artigos de opinião e colunas com uma série de distorções e falácias sobre a questão racial no Brasil. 

Nossa entidade parabeniza a coragem e a firmeza das e dos jornalistas em se posicionaram contra uma decisão editorial evidentemente equivocada da empresa. Tal atitude, por sinal, deveria ser natural em uma redação: a defesa do jornalismo e de uma imprensa verdadeiramente independente passa necessariamente pelo livre debate, circulação de ideias plurais e o constante diálogo dos profissionais para aprimorar as decisões editoriais de uma publicação — sem transigir na ideia falsa de que o jornalismo precisa abrir espaço a discursos nocivos à democracia e aos direitos humanos.

Vale lembrar que o Código de Ética dos Jornalistas diz que:
Art.6º: É dever do jornalista: (...)
XI - defender os direitos do cidadão, contribuindo para a promoção das garantias individuais e coletivas, em especial as das crianças, dos adolescentes, das mulheres, dos idosos, dos negros e das minorias;

Em nossas convenções coletivas, defendemos que as empresas jornalísticas não podem restringir, por normas internas, a plena liberdade de expressão – nos terrenos político, econômico, social, esportivo ou outros – e o exercício de cidadania para seus jornalistas. E não há melhor forma de exercer a cidadania do que se posicionar em um debate tão essencial quanto à perversa dinâmica estrutural do racismo em nosso país. 

Leia a carta aberta na íntegra (em PDF).