Patrões do interior protelam início de negociações

União e participação da categoria na campanha salarial serão fundamentais

Por Redação - SJSP

Diretor regional Pedro Courbassier e a secretária do Interior, Solange Santana, estiveram semana passada na redação do Jornal Cruzeiro do Sul, de SorocabaDiretor regional Pedro Courbassier e a secretária do Interior, Solange Santana, estiveram semana passada na redação do Jornal Cruzeiro do Sul, de Sorocaba

O Sindicato dos Jornalistas tem visitado redações em várias regiões do estado para informar sobre o impasse nas negociações da campanha salarial 2021-2022 de jornais e revistas do interior.

A pauta foi entregue aos patrões no dia 1º de abril reivindicando reajuste pela inflação, mais 3% de aumento real para as cláusulas econômicas, e diminuição da defasagem nos vales alimentação e refeição, além de salário nominal para a PLR.

Há mais de dois meses, o SJSP solicita mesa de negociação ao sindicato patronal (SindJori) que, infelizmente, foi surpreendido, no dia 8 de maio, pelo falecimento de seu então presidente, Paulo Almeida. Uma perda sobre a qual o SJSP reafirma pesar.

Agora, passadas semanas desse infortúnio, a expectativa é iniciar as negociações. Em 31 de maio, o Sindicato requereu ao patronal a manutenção da data-base (1º de junho) e a extensão da vigência da CCT, como também um indicativo de data para a primeira mesa de negociação da campanha.

Na segunda-feira (6), o presidente em exercício do SindJori, Marcelo Batuíra Losso Pedroso de Mello, respondeu alegando que a entidade irá regularizar entraves burocráticos decorrentes do falecimento de seu presidente "bem como para que os associados nos deem poderes para essa negociação, bem como as diretrizes em relação à pauta de reivindicações”.

O presidente em exercício também remeteu à assembleia do SindJori a decisão sobre a manutenção da data-base. Mas colocou, em nome da entidade, que a extensão da vigência da última CCT não será possível.

Resumo: sindicato patronal não se furta em protelar o início das negociações, por um lado, mas não hesita em ser taxativo ao negar a extensão da vigência da CCT!

O SJSP já encaminhou ofício ao SindJori requerendo que a entidade patronal reveja essa posição e caminhe em direção do bom entendimento. Vamos intensificar os contatos com a categoria e prepará-la para a campanha!