Em ato na TV Record, Sindicato expõe as sacolas vazias da categoria

Como forma de protestar contra a proposta de reajuste patronal na campanha salarial de rádio e TV, o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo (SJSP) esteve em frente à TV Record nesta quinta-feira (10) com sacolas vazias, representando como estão as sacolas dos e das jornalistas diante da inflação e a falta de reajuste: sem nada!

"A mobilização realizada hoje na porta da TV Record se soma a outras atividades que já realizamos nos últimos dias, como nas cidades de Bauru e São José do Rio Preto. Em nossa última assembleia, deixamos claro que o reajuste pela inflação, de 10,95%, e a volta da PLR são fundamentais e devemos lutar de maneira persistente. Neste sentido, a participação de todas e todos os jornalistas é o que irá fazer a diferença: por isso, no próximo dia 16, vamos vestir preto para que os patrões vejam que estamos unidos e determinados a lutar por nossos salários e por dignidade", destacou o presidente do Sindicato, Thiago Tanji.

Com carro de som e dialogando com os profissionais que estavam trabalhando na emissora, o Sindicato demonstrou resistência e disposição para estar ao lado da categoria nesta campanha salarial.

Os próximos dias serão marcados por atos e manifestações na capital, no interior e no litoral, bem como ação nas redes sociais para pressionar pelo reajuste digno e demais condições de trabalho reivindicadas pela categoria.

O ato desta quinta-feira (10) contou com o apoio do Sindicato dos Radialistas no Estado de São Paulo.

A campanha salarial

Após dois meses de negociação, com uma inflação que, em dezembro, marcou 10,95% - e segue em disparada -, o reajuste oferecido aos profissionais é de apenas 5%, de forma parcelada.

Marcada pela intransigência patronal, as empresas se negam a conceder reajuste digno aos seus profissionais de jornalismo enquanto lucram.

Outra reivindicação da categoria é pela volta do pagamento da Participação nos Lucros e Resultados (PLR) das empresas e do Abono Salarial das Fundações, que foi retirado pelas empresas na Convenção 2020-2021.

Confira as fotos do protesto