Em 16 de fevereiro, jornalistas vestirão preto por salários e dignidade

Por salários e dignidade, o Sindicato dos Jornalistas de São Paulo convoca toda a categoria que atua em emissoras de rádio e TV a se vestir de preto no próximo dia 16 de fevereiro. A data, que marca do Dia do Repórter, tem poucos motivos a serem comemorados e, por isso, será um dia de luta.

A categoria enfrenta a intransigência do patronal na Campanha Salarial do segmento que, frente a uma inflação de 10,95%, oferece apenas 5% de reajuste salarial de forma parcelada, sendo 3% na assinatura da Convenção e a diferença somente 90 dias depois.

Além do reajuste abaixo da inflação do período, os patrões se negam a negociar a volta da PLR, que foi retirada na Convenção de 2020-2021.

“Para que a gente consiga voltar a ter PLR e repor os salários pela inflação é essencial que todo mundo se junte ao nosso sindicato e à nossa mobilização. Participe das assembleias e, no dia 16 de fevereiro, a próxima quarta-feira, vista-se de preto: uma camiseta preta, uma roupa preta, um vestido preto para que todo mundo na redação fique com a mesma cor de camisa para representar a nossa luta e a nossa união pelos 10,95% de reajuste e pela volta da PLR. Convido e convoco todos os jornalistas e todas as jornalistas para se juntar à essa luta. E vamos vencer!”, disse o presidente do SJSP, Thiago Tanji.

Nesta quinta-feira (10), o SJSP protestou com sacolas vazias na porta da TV Record em alusão à perda do poder de compra dos jornalistas e seguirá mobilizado até obter o reajuste reivindicado pela categoria.