EBC burocratiza e não revê retorno ao presencial

Por Comissão de Empregados da EBC

A Comissão de Empregados se reuniu na quinta-feira (23) com o Diretor de Finanças, Márcio Kazuaki. Esses foram os temas abordados:

Covid19
Tendo em vista que a pandemia não acabou, a Comissão solicitou revisão dos protocolos sanitários contra a Covid-19. Especificamente solicitou a suspensão da redução dos espaços nas sedes, a dispensa de trabalho presencial para quem pode fazer o serviço à distância e o retorno dos trabalhadores e trabalhadoras maiores de 60 anos somente após a dose de reforço da vacina. Todas essas medidas visam evitar aglomerações, exposições desnecessárias e a preservação de nossas vidas. 

Pedimos também para que a empresa não organize eventos com autoridades. A inaguração do "museu" da Rádio Nacional, com o ministro Fábio Faria, no Rio de Janeiro, gerou aglomeração em espaço fechado. O diretor, no entanto, disse que não podia se comprometer.

Kazuaki informou que as decisões são de gestão e que segue a Direx 31, cabendo ao gestor de cada área definir a escala da equipe. Porém, disse que, se houver recomendação oficial e científica indicando a necessidade da terceira dose da vacina para os idosos, esse ponto pode ser revisto. Segundo ele, a redução dos espaços está ligada a questões orçamentárias e vai continuar, mas que a locação dos funcionários nesses novos espaços ainda não foi definida. 

Sobre o fornecimento de máscaras PFF2 para os funcionários, Kazuaki disse que uma nova compra está em andamento, porém a justiça desobrigou as empresas de fornecerem o EPI para os trabalhadores, já que elas devem ser usadas de forma individual por todas as pessoas do mundo em todos os locais públicos. Denúncias de pessoas sem máscara nas dependências da empresa podem ser enviadas diretamente para ele: marcio.kazuaki@ebc.com.br.

Transferências arbitrárias
A respeito das inúmeras transferências de setor feitas de forma arbitrária pela Dijor, enquanto pessoas que querem mudar de área não conseguem, Kazuaki reafirmou que a alocação de pessoal é prerrogativa da gestão. Porém, concordou e aceitou estudar mudanças, como a criação de um banco de talentos, sugerido pela comissão. A Comissão reitera a solidariedade com os colegas que foram retirados de suas áreas de atuação por fazerem críticas ao jornalismo na empresa.

Assefaz
O diretor também falou sobre as tratativas com relação à manutenção do plano da Assefaz para funcionários da EBC. Pedimos para que a EBC faça uma reunião para explicar os trâmites do processo e o que tem sido feito.

Histórico: Em meados de 2020, a ANS oficiou a Assefaz sobre a participação da EBC estar em desconformidade com a RN 137 (Art. 12) que diz que a atividade das empresas integrantes do plano deve guardar correlação de ramo de atividade com o objeto da operadora de autogestão.

A EBC solicitou prorrogação, autorizada pela ANS no seguinte formato: até 12 meses, contados a partir da deliberação, que aconteceu em 24 de novembro de 2020. Diante da iminência do encerramento do plano, o diretor disse que a própria ANS sinalizou a mudança de sua norma, o que possibilitaria a permanência da EBC; no entanto, o diretor assumiu que é um processo interno lento na agência, que pode não chegar a tempo de contemplar os funcionários. Diante disso, a Diafi tem conversado com a GEAP www.geap.com.br e espera uma proposta vantajosa para a adesão dos funcionários da EBC.

Benefícios
Kazuaki se comprometeu a fazer uma cartilha com o passo a passo para a requisição de licença maternidade e paternidade. Pedimos para a empresa avaliar fazer cartilhas sobre todos os benefícios. O diretor também ficou de avaliar a padronização do pagamento do auxílio-creche, que, em cada praça, funciona de um jeito, com alguns funcionários tendo o desconto do imposto de renda sobre o valor e outros não.

Enfim, o diretor destacou que a direção recebe as demandas dos funcionários, mas que as decisões cabem à direção da EBC.

Comissão de Empregados da EBC

 

O SJSP precisa de você! 
Para que o Sindicato dos Jornalistas de SP continue a desenvolver o seu trabalho em defesa dos interesses da categoria, é fundamental a participação de tod@s na construção e no fortalecimento da entidade. Sindicalize-se! A mensalidade é de 1% do salário (com teto de R$ 60 na capital e de R$ 38 no interior) ou de R$ 60 e R$ 38 fixos (capital e interior) para quem não tem vínculo empregatício. O processo de sindicalização é online. Veja aqui.