Cerimônia do Prêmio Herzog é marcada por combate ao governo Bolsonaro

Por Redação

Nesta terça (25), realizou-se a cerimônia de entrega do 44° Prêmio Jornalístico Vladimir Herzog de Anistia e Direitos Humanos, com marcado teor político, fazendo jus à memória de Vlado. Veja aqui os premiados.


foto: Alice Vergueiro


Foram vários pontos altos na noite, conduzida por Juca Kfouri. Um deles foi a dedicação, em caráter excepcional,  Prêmio Especial Vladimir Herzog de Contribuição ao Jornalismo ao trabalhadores da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) pela resistência na defesa da comunicação pública.

O prêmio foi entregue por Paulo Zocchi e Thiago Tanji, diretores do Sindicato dos Jornalistas SP e da FENAJ, a um grupo expressivo de profissionais presentes. Em nome dos trabalhadores, Kariane Costa e Gésio Passos relembraram os casos de cerceamento na emissora, mas ressaltaram a luta diária pela comunicação pública, por informar a sociedade, unidos em seus sindicatos em resistência ao autoritarismo do governo Bolsonaro. O discurso se encerrou aos gritos de “A EBC é do povo!”

Homenagem a Dom Phillips, Kátia Brasil, Elaíze Farias e Dráuzio Varella
A homenagem in memoriam a Dom Phillips pela sua contribuição ao jornalismo foi entregue à viúva do repórter, Alessandra Sampaio. Mas foram várias a falas de colegas que também prestaram sua homenagem.

Inclusive pelas jornalistas Kátia Brasil e Elaíze Farias, criadoras do portal de notícias Amazônia Real, que receberam o prêmio especial juntas. Dráuzio Varella, ao receber a mesma homenagem, declarou: “Nós não tivemos nenhum acerto [dos crimes] da Ditadura, não punimos nenhum dos crimes, e estamos aí nessa até hoje. Eu fiquei muito assustado com o crescimento da campanha do atual presidente e pensei, ‘eu com 76 anos vou ficar com esse país, enquanto minha geração teve tantos sonhos?’ Mas acho que não.”

"Passo fundamental" em 30 de outubro
Desde a abertura, a eleição que acontece dia 30 de outubro foi o tema central dos discursos. O discurso inicial da Comissão Organizadora do prêmio afirmava: “No próximo domingo, 30 de outubro, iremos às urnas para escolher o presidente do Brasil. Assim como há 4 anos, esta não é uma eleição do candidato A versus o candidato B. É a escolha entre [...] os que defendem os direitos humanos versus a barbárie, o autoritarismo, a intolerância e a violência.”

Uma das premiadas na noite, Eliane Brum, encerrou a noite traduzindo o sentimento geral: “De hoje até domingo, o melhor que podemos fazer é lutar por cada voto para Lula, sem jamais perder de vista que no dia 31, seja qual for o resultado, acordaremos em pé e seguiremos lutando.” Ao que Kfouri respondeu: "eleger Lula é um passo fundamental. Mas é um passo."