Sindicatos iniciam movimento em defesa das empresas públicas estaduais e contra demissões

Entidades debateram iniciativas comuns para defender contra a privatização, a fusão e a extinção de estatais proposta por Doria

Por Redação - Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo

Representantes dos sindicatos se reuniram na sede do SJSP, no centro paulistano. Foto: Flaviana Serafim/SJSPRepresentantes dos sindicatos se reuniram na sede do SJSP, no centro paulistano. Foto: Flaviana Serafim/SJSPSindicatos que representam trabalhadores das empresas públicas que o governo Doria pretende extinguir ou fundir reuniram-se nesta quinta-feira (31), na sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Paulo (SJSP), para discutir iniciativas comuns em defesa das estatais, contra a privatização e contra qualquer demissão.

Doria anunciou em janeiro que enviará projeto de lei com as seguintes medidas: extinção da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S.A.); fusão da Imprensa Oficial do Estado São Paulo (Imesp) e da Companhia de Processamento de Dados do Estado (Prodesp); e fusão ou extinção da Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS), da Companhia de Desenvolvimento Agrícola de São Paulo (Codasp) e da Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa).

Participaram da reunião o SJSP, o Sindicato dos Gráficos (ambos representando trabalhadores da Imesp), o Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação de SP (Sindpd), que representa o pessoal da Prodesp, e o Sindicato dos Empregados em Centrais de Abastecimento de Alimentos do Estado de São Paulo (Sindbast), dos trabalhadores da Codasp.

Essas entidades pretendem elaborar um material informativo para esclarecer qual é a atividade das empresas públicas atingidas pelo projeto e sua importância para a população do Estado. Iniciarão também contatos com os deputados estaduais para defender a manutenção das empresas e dos empregos de todos os funcionários.

O SJSP divulgou, em 15 de janeiro, uma nota em que “expressa sua posição em defesa do serviço público e, consequentemente, das empresas públicas que o governo pretende fechar ou juntar”. O sindicato defende, em particular, a Imesp como empresa pública de comunicação e o trabalho desenvolvido pelos jornalistas da empresa, tanto na edição de atos oficiais que são publicados no Diário Oficial, quanto na elaboração da parte editorial do Diário.

O objetivo das entidades que participaram da discussão no dia 31 é ampliar essa iniciativa. Para a próxima reunião, em meados deste mês, serão convidados os sindicatos representativos das outras empresas, que não puderam ser contatados para essa primeira reunião.