Sindicato protesta contra demissão de dirigente na Maratona promovida por A Tribuna

Carlos Alberto Ratton distribui panfleto na Meia Maratona
 
No último domingo (2), a Regional de Santos, Baixada Santista e Vale do Ribeira, do Sindicato dos Jornalistas...

ratonraton

Carlos Alberto Ratton distribui panfleto na Meia Maratona

 

No último domingo (2), a Regional de Santos, Baixada Santista e Vale do Ribeira, do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, realizou a primeira de uma série de manifestações contra o Jornal A Tribuna, pela demissão do diretor Eraldo dos Santos, contrariando leis trabalhistas brasileiras e internacionais. O palco foi a 9ª Meia Maratona A Tribuna Praia Grande. Além da faixa, foram distribuídos cerca de cinco mil panfletos, mostrando para a população como a direção do jornal trata os trabalhadores.

A direção do Sindicato dos Jornalistas Profissionais já havia repudiado com veemência a demissão do diretor pela A Tribuna, onde trabalhou durante 25 anos. O mais grave é que a decisão autoritária e arbitrária da empresa, além de configurar atitude antisindical, - por que demite dirigente sindical com muitos anos de casa, o trabalhador estava há 11 meses de sua aposentadoria, o que contraria a Convenção Coletiva de Trabalho assinada pelos sindicatos, de trabalhadores e o patronal. 

O presidente do Sindicato, José Augusto Camargo (Guto), participou pessoalmente das negociações com a empresa, onde foram realizadas duas reuniões: a primeira com o diretor da Tribuna, Roberto Antonio e a segunda com os responsáveis pelo RH e Departamento Jurídico da empresa.

“A demissão do dirigente sindical é absurda e inaceitável”, diz o presidente do Sindicato, Guto Camargo. “Outro componente muito grave contra A Tribuna é a ameaça de fechamento das sucursais do jornal na Baixada Santista, com o corte de vários trabalhadores, o que configura um quadro indesejável nas relações entre a entidade e a empresa” avalia. Diante disso, o Sindicato analisa as ações jurídicas a serem tomadas no caso, além das manifestações e denúncias formais. Mas a empresa se manteve irredutível.

Já o diretor da Regional de Santos e Baixada Santista, Carlos Alberto Ratton, também considerou arbitrária a demissão do dirigente Eraldo e considerou que A Tribuna extrapolou com a falta de respeito com a categoria.

“Quando se demite um representante democraticamente eleito pelos jornalistas, na verdade, se está desafiando todos os trabalhadores. A diretoria do jornal merece uma resposta à altura e ela a terá. Estamos programando uma série de protestos, que irão envolver também a opinião pública santista, mostrando que o principal veículo da cidade e região trata com desprezo seus profissionais, ferindo o direito e a liberdade de expressão e praticando uma indesejável  atitude anti sindical, que para nós soa como uma provocação em plena campanha salarial”, disse ele.

 

Esta foi a nota oficial contra a demissão do dirigente

 

O jornal A Tribuna de Santos descumpre cláusulas da Convenção Coletiva, fere direitos trabalhistas, acordos internacionais, não cumpre acordo verbal de não promover demissões até janeiro de 2013 e demite o jornalista e diretor do Sindicato, Eraldo Santos, que dedicou quase 25 anos de trabalho ao jornal e se encontra a menos de um ano da aposentadoria.

Diante de tamanha falta de respeito ao trabalhador e ao Sindicato, não resta alternativa à entidade senão a de dar todo apoio jurídico para que o profissional busque na Justiça, entre outras garantias, a de estabilidade no emprego para dirigente sindical e para pré aposentadoria. O Sindicato comunica que vai iniciar uma ampla campanha de denúncias e protestos contra a empresa. As manifestações irão ocorrer durante os próximos meses de forma sistemática e contundente.

O SJSP não admite medidas que contrariam a liberdade sindical e a dignidade do trabalhador. A punição ao dirigente sindical é uma clara tentativa de intimidar a entidade em um momento importante para categoria que é a campanha salarial e o movimento pela preservação dos empregos frente a ameaça da empresa de fechar todas as sucursais no litoral.

Essa forma covarde, truculenta e desrespeitosa de agir do Jornal A Tribuna mostra que, além de ser um péssimo exemplo como empresa, não tem o menor compromisso na defesa dos direitos dos trabalhadores.

 

Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo