‘Os jornalistas e a reforma trabalhista’ é tema de debate em Santos

Impacto da “reforma” na categoria será discutido nesta segunda (10) na Câmara Municipal de Santos

Por Flaviana Serafim - Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo

A Regional Santos do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) realiza nesta segunda-feira (10), a partir das 19h, o debate Os jornalistas e a reforma trabalhista, no auditório Zeny de Sá Goulart da Câmara Municipal de Santos (Praça Tenente Mauro Batista de Miranda, 1 - Vila Nova).

O palestrante convidado é Victor Pagani, técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) e o debate também terá a participação de Paulo Zocchi, presidente do SJSP.

Em vigor desde novembro de 2017, a “reforma” da CLT traz uma série de impactos sobre o trabalho dos jornalistas e já se constata as tentativas de precarização das redações pelos empresários, tanto nas negociações de campanhas salariais - nas quais os patrões querem excluir direitos conquistados há anos pela categoria - como também nas demissões para contratação de outro profissional para a mesma função ganhando salário inferior – o que está ocorrendo no grupo A Tribuna, como denuncia a Regional Santos em nota de repúdio.

As demissões em massa de jornalistas do Grupo Abril, que já foi o maior empregador da categoria no país, é outro exemplo do quanto a “reforma” é prejudicial, pois facilitou a dispensa coletiva sem negociação prévia com os sindicatos.

Entre outras formas de precarização, as mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho abriram brechas para flexibilização da jornada sem pagamento de horas extras, banco de horas por acordo individual, e o trabalho intermitente, forma de contrato em que o profissional fica à disposição da empresa, mas só recebe se for convocado. O fim da homologação no Sindicato é outra mudança para pior, pois a entidade sindical fica sem pode conferir as contas das verbas rescisórias e quem é demitido fica sem orientação nem respaldo jurídico.

Para enfrentar a “reforma” da CLT, o Sindicato tem buscado a inclusão de cláusulas nas Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho, além de se mobilizar, unido ao conjunto do movimento sindical, para que as mudanças na legislação sejam derrubadas.

SERVIÇO
Debate “Os jornalistas e a reforma trabalhista”

Data: 10 de setembro de 2018 (segunda-feira)
Local: Câmara Municipal de Santos - Auditório Zeny de Sá Goulart
Praça Tenente Mauro Batista de Miranda, 1 - Vila Nova – Santos/SP