R7: Record trai compromisso e demite 20 jornalistas em represália à greve

Apesar de ter se comprometido a negociar, empresa demitiu 20 profissionais que participaram da paralisação contra a mudança arbitrária da escala de plantão dos finais de semana

A Rede Record demitiu 20 jornalistas do portal R7 nesta sexta-feira (15), em represália à greve realizada pelos profissionais, no último dia 30, contra a mudança arbitrária imposta pela direção da empresa para a escala de plantão de final de semana.

A direção do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) realizou assembleia com os trabalhadores e trabalhadoras nesta tarde e a entidade vai tomar as medidas judiciais cabíveis contra a demissão em massa. Os sindicalistas afirmam que a empresa traiu o compromisso firmado com os jornalistas de negociar a escala e que é clara a retaliação aos grevistas.

Confira a Carta dos profissionais demitidos do portal R7, divulgada pelo SJSP. 

Sem qualquer diálogo prévio com os profissionais ou o Sindicato, a direção da empresa enviou um e-mail no último 30 de novembro informando que, a partir de janeiro, a escala de plantão será alterada de 3 x 1, ou seja, de um final de semana trabalhado para três de folga, para 2 x 1, com dois fins de semana de trabalho e apenas um de descanso. A medida gerou revolta nos jornalistas que espontaneamente decidiram cruzar os braços em protesto ao aumento da jornada semanal e enviaram uma carta à direção do R7.

Durante a paralisação, após a intermediação do Sindicato – que não foi recebido pela direção da Record – a empresa se comprometeu a negociar a mudança na escala. Porém, na manhã de 1º de dezembro, a emissora demitiu um editor e um redator e, no período da tarde, assim que todos os profissionais decidiram voltaram ao trabalho, foram demitidos mais três editores e um repórter.

Além da arbitrariedade da mudança escala, da truculência e perseguição aos grevistas com a demissão em massa, até o momento a Record sequer informou se as horas extras de trabalho nos finais de semana serão pagas ou compensadas, postura que reforça a instransigência da emissora e a falta de respeito aos seus profissionais, criticam os dirigentes do Sindicato. 

Escrito por: Flaviana Serafim – Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo