Professores e jornalistas são alvos da repressão de apoiadores de Bolsonaro

Por conta própria, deputada do PSL abre 'canal de denúncias' contra professores que se manifestarem contrários à vitória de Bolsonaro. Em São Paulo, jornalista relata agressão

Por Redação - Rede Brasil Atual

Posts da deputada Ana Caroline Campagnolo nas redes sinalizam mentalidade belicista e autoritária. Imagens: Reprodução/FacebookPosts da deputada Ana Caroline Campagnolo nas redes sinalizam mentalidade belicista e autoritária. Imagens: Reprodução/FacebookApós declarada a eleição de Jair Bolsonaro (PSL) como o novo presidente da República neste domingo (28), a recém-eleita deputada estadual pelo PSL de Santa Catarina, Ana Caroline Campagnolo, divulgou, em sua página no Facebook, que por conta própria e arbitrariamente, criou um "canal de denúncias" para que alunos denunciem eventuais manifestações de professores contrários à vitória do candidato da extrema direta.

Na publicação, a deputada, que se mostra entusiasta da proposta "Escola sem Partido", afirma que "muitos professores e doutrinadores estarão inconformados e revoltados" e anuncia que estudantes que se sintam "humilhados ou ofendidos", devem registrar a "denúncia" informando o nome do professor, escola e cidade.

Em resposta à postagem de Ana Caroline, uma usuária comparou a prática ao período da ditadura civil-militar, quando a repressão invadia as salas de aulas,  para censurar conteúdos e perseguir professores opositores da tentativa de se impor um pensamento único. "A ditadura já foi instaurada... pelo que eu saiba cada um pode dar sua opinião, especialmente os professores", criticou a usuária.

Professores e profissionais da educação reagiram à postagem de Campagnolo, e disseram que a iniciativa da deputada é desrespeitosa e “incita a coação dos professores em sala de aula”, segundo nota do Sinte (Sindicato dos Trabalhadores em Educação) de São José (SC).

Ainda segundo a postagem, a deputada alega que "professores éticos e competentes não precisam se preocupar".

Ameaças à imprensa

Durante a comemoração da eleição do ex-capitão na Avenida Paulista, região central da cidade de São Paulo, apoiadores cercaram e hostilizaram a repórter do jornal Folha de S.Paulo Anna Virginia Balloussier que fazia cobertura do ato na noite de domingo.

Em denúncia no Twitter, a repórter relatou que as agressões começaram após os eleitores terem conhecimento do veículo no qual Anna trabalhava. "Assim que souberam que eu era da 'Folha', vários me cercaram e me hostilizaram, quiseram me expulsar, gritaram ‘vai pra Cuba que o pariu’. Um só me defendeu, dizendo que antes do capitão "vem a liberdade de imprensa".

As críticas ao veículo e a perseguição aos seus jornalistas ganharam destaque após a denúncia da Folha de S.Paulo que reportou o envolvimento de empresários na doação de recursos ilegais, proibidos por lei, na campanha de Bolsonaro para a compra de "pacotes de mensagens", disparadas pelo WhatsApp contra o candidato adversário Fernando Haddad e o PT. Desde então, o candidato da extrema direita e seus opositores vêm chamando o jornal de "fake news".

Um levantamento da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) mostra que, neste período eleitoral, muitos jornalistas foram alvos de intimidações, sendo documentados 141 casos de ameaças e violência contra a categoria durante cobertura eleitoral, a maioria atribuía a partidários de Bolsonaro.