Mulheres vão às ruas no Dia Internacional de Luta das Mulheres para protestar contra a violência

 

 
 
A Secretaria Estadual da Mulher Trabalhadora da CUT São Paulo (SEMT-CUT/SP) realizará na próxima sexta (8), Dia Internacional da Mulher, o seminário...

 

image001image001

 

 

A Secretaria Estadual da Mulher Trabalhadora da CUT São Paulo (SEMT-CUT/SP) realizará na próxima sexta (8), Dia Internacional da Mulher, o seminário História de Luta por Igualdade na Vida, no Mundo do Trabalho, no Movimento Sindical e a Paridade na CUT, das 9h às 12h30, no auditório do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região (Rua São Bento, 413 - Edifício Martinelli -  centro paulistano). Dirigentes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) estarão presentes no ato.

O seminário discutirá a paridade e a participação feminina nos espaços de poder, direito ao trabalho decente com igualdade de oportunidades, enfrentamento à violência doméstica, além da autonomia econômica, social e política das mulheres, entre outros temas. As mesas contarão com a presença de dirigentes sindicais, acadêmicas, parlamentares, lideranças de movimentos sociais e feministas.

Ato público 

Após o encerramento do seminário, a partir das 13h, as participantes seguem até a Praça da Sé, onde se concentrarão para o Ato Unificado do Dia Internacional da Mulher com caminhada até a Praça Ramos de Azevedo, que contará com a presença dos movimentos sociais e feministas, de sindicatos filiados à CUT/SP, entre outras entidades. 

No próximo dia 8 de março, Dia Internacional de Luta das Mulheres, feministas de diversas organizações, sindicatos, coletivos e movimentos de São Paulo (SP) vão ocupar as ruas em um ato unificado para exigir autonomia e igualdade para as mulheres. A concentração começa às 13 horas, na Praça da Sé, de onde saem em caminhada até a Praça Ramos.

O eixo principal de reivindicações é o combate à violência contra mulheres, negras e lésbicas. O Brasil está em sétimo lugar no mundo em assassinato de mulheres. A Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo registrou 944 estupros em janeiro de 2012, mais de 31 casos por dia. As mulheres reivindicam maior empenho dos governos municipais, estaduais, federal e também do judiciário no cumprimento da Lei Maria da Penha, além de mais investimentos em programas de combate e prevenção à violência. 

Outra pauta central para os movimentos de mulheres é a legalização do aborto. Para garantir a saúde integral das mulheres e a autonomia sobre seus corpos, elas reivindicam que o aborto seja legalizado e incorporado ao SUS, como medida de redução da mortalidade das mulheres, principalmente das negras e pobres, as que mais se submetem a métodos inseguros de abortamento. 

As organizaçoes que convocam o Ato também tem expressado sua crítica ao uso dos corpos das mulheres como objeto de consumo.As mulheres trazem ainda esse ano reivindicações como: pelo direito ao livre exercício de sua sexualidade e contra a exploração das mulheres pela prostituição; pelo direito a receberem salários iguais pelo mesmo tipo de trabalho; por creches públicas em horário integral e de qualidade; pela divisão dos trabalhos domésticos e de cuidado com a família; pela licença materna-parental; pelos direitos trabalhistas das empregadas domésticas; pelo direito à moradia digna; pela ampliação do acesso à terra e pela democratização dos meios de comunicação.

A manifestação começa na Praça da Sé, às 13 horas, com espaço aberto para fala de todas as organizações que compõem o ato. Em seguida, caminham até a Praça Ramos. Haverá também apresentação da batucada da Fuzarca Feminista e intervenções artísticas.

 

Serviço: Seminário Estadual da CUT São Paulo – Dia Internacional da Mulher

Tema: História de Luta por Igualdade na Vida, no Mundo do Trabalho, no Movimento Sindical e a Paridade na CUT

Dia: 8 de março

Hora: 9h às 12h30

Local: Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região - Rua São Bento, 413 - Edifício Martinelli -  centro de São Paulo

Inscrições: semt@cutsp.org.br

Realização: Secretaria Estadual da Mulher Trabalhadora da CUT São Paulo

 

PROGRAMAÇÃO

09H00 – RECEPÇÃO E CREDENCIAMENTO

09H30 – ABERTURA 

Sonia Auxiliadora – Secretária Estadual da Mulher Trabalhadora
Adi dos Santos Lima – Presidente da CUT/SP
Convidadas e convidados

10h40 – PAINEL: OS COMPONENTES DA DESIGUALDADE NA VIDA, NO TRABALHO E NA SOCIEDADE

Expositora
Paula Loureiroda Cruz - mestre e doutoranda em Direito Político e Econômico, professora universitária na área de Direito Público, estudiosa do feminismo e marxismo, autora do livro: "Alexandra Kollontai: feminismo e socialismo - uma abordagem critica do direito".

11h30 - Políticas Públicas para Mulheres 
Denise Motta Dau – Secretaria de Políticas para as Mulheres do Município de São Paulo
Silmara Conchão – Secretaria de Políticas para as Mulheres do Município de Santo André

12h00 – PARIDADE NA CUT
Sonia Auxiliadora – Secretária Estadual da Mulher Trabalhadora da CUT São Paulo
Rosane Silva – Secretária Nacional da Mulher Trabalhadora da CUT

12h30 – Homenagem: Mulheres na História de Luta pela Igualdade

12h45 – caminhada cutista saindodo Sindicato dos Bancários de São Paulo até a Praça da Sé, rumo a concentração do Ato Unificado.

Texto: CUT/SP