Meios de comunicação são atacados e incendiados durante protestos na Nigéria

Television Continental (TVC) e outros meios de comunicação foram atacados e incendiados em Lagos, Nigéria

Por Redação

Indivíduos não identificados atacaram e incendiaram as instalações da Television Continental (TVC) e outros meios de comunicação em Lagos, Nigéria, no dia 21 de outubro, resultando na perda de equipamento de mídia e danos a veículos. A Federação Internacional de Jornalistas (IFJ) junta-se à sua afiliada União de Jornalistas da Nigéria (NUJ) na condenação destes ataques contra trabalhadores da comunicação social.

Esses ataques à mídia aconteceram durante os protestos massivos em andamento após a morte de dez manifestantes pelas forças de segurança na última terça-feira. Os manifestantes saíram às ruas para condenar a brutalidade policial, pedindo ao governo da Nigéria que desmantele o SARS, Esquadrão Anti-Roubo Especial, uma unidade de elite da Força Policial Nigeriana.

A Channels Television em Lagos foi forçada a interromper suas transmissões por algumas horas enquanto a equipe fugia, temendo ataques.

Segundo o NUJ, a impunidade contra contra os ataques a jornalistas e meios de comunicação é alarmante e preocupante na Nigéria. 

Infelizmente, estamos testemunhando esses ataques sendo direcionados contra meios de comunicação e jornalistas na Nigéria, com as vidas de repórteres sendo diariamente ameaçadas e continuando assim enquanto cobrem o protesto contra o SARS ”, afirmou o NUJ.

O Tribunal Penal Internacional disse que está "acompanhando de perto os eventos em torno dos protestos atuais na Nigéria ".

O Secretário Geral da FIJ, Anthony Bellanger, disse: “Estamos profundamente preocupados com a situação na Nigéria, onde jornalistas e meios de comunicação estão sendo especificamente visados ​​durante os protestos. Jornalistas e meios de comunicação devem ter permissão para fazer seu trabalho sem medo ou qualquer forma de intimidação e assédio por parte das forças de segurança ou dos manifestantes. Estamos solidários com aqueles que foram atacados. As autoridades devem parar a violência contra os manifestantes e garantir a segurança dos trabalhadores da mídia".