Liberdade de imprensa e Covid-19: Pesquisa da FIJ revela crise na cobertura da pandemia

Pesquisa da FIJ sobre as relações e condições de trabalho em tempos de pandemia foi aplicada no Brasil pela FENAJ

De acordo com uma nova enquete, realizada pela Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ), com mais de 1,3 mil jornalistas, de 77 países ao redor do mundo, três em cada quatro jornalistas sofreram restrições, obstruções ou intimidação ao reportar sobre a pandemia causada pelo novo coronavírus.

A pesquisa, realizada entre 26 e 28 de abril, revelou também que dois terços dos jornalistas empregados e freelancers sofreram cortes salariais, redução de renda, perda de empregos, cancelamento de empregos ou agravamento de suas condições de trabalho.

A FIJ, entidade a qual a FENAJ é filiada e tem representação em seu Comitê Executivo, é a maior organização mundial de jornalistas profissionais e representa 600 mil jornalistas em 146 países.

A pesquisa sobre as relações e condições de trabalho em tempos de pandemia foi aplicada no Brasil pela FENAJ. Ela apontou que:

– Quase todos os jornalistas freelancers perderam renda ou oportunidades de emprego

– Mais da metade dos jornalistas sofreram estresse e ansiedade

– Mais de um quarto não possui o equipamento necessário para trabalhar com segurança em casa, enquanto um em cada quatro não possui equipamento de proteção para trabalhar em campo

– Dezenas de jornalistas foram presos, denunciados ou agredidos

– Mais de um terço dos jornalistas mudaram seu foco jornalístico para abranger informações relacionadas à pandemia.

Liberdade de imprensa

Quando questionada sobre a liberdade de imprensa em seus países, a grande maioria dos jornalistas afirmou que havia piorado. Da Grécia à Indonésia e do Chade ao Peru, os jornalistas usaram palavras como “precária”, “problemática”, “terrível”, “pior”, “em declínio” ou “restrita” para descrever a situação em seu país.

Os entrevistados também expuseram o custo da mão-de-obra dessa crise. Muitos citaram a perda de empregos, o aumento do horário de trabalho e a diminuição de recursos como obstáculos à cobertura adequada da pandemia. Em muitos países, a falta de redes de segurança social e práticas justas de emprego está levando os jornalistas ao desespero.

Um jornalista freelancer peruano disse: “O Estado não está preparado para esta pandemia, existem setores em total abandono pelas autoridades, a corrupção continua, enquanto, ao mesmo tempo, as empresas de mídia mostram que não têm políticas para aliviar nosso desespero, como a falta de renda. Muitas famílias estão à beira da pobreza “.

Um jornalista grego acrescentou: “Eu trabalho mais, mas ganho menos dinheiro, e o proprietário do jornal em que trabalho me deve e a meu parceiro mais de 7 meses de salário, mas o governo não faz nada a respeito”.

Muitos jornalistas reclamaram dos crescentes ataques à liberdade de imprensa. Quase um em cada quatro jornalistas afirmou ter enfrentado dificuldades crescentes no acesso a informações do governo ou de fontes oficiais. Outros relataram ter sido atacados verbalmente por oficiais políticos. Outros se queixaram das restrições de fazer perguntas em entrevistas coletivas e das restrições impostas ao movimento de jornalistas durante a crise, incluindo a retirada de seus crachás de imprensa. Alguns estavam preocupados com o fato de a cobertura completa de matérias relacionadas à pandemia ter causado a mídia esquecer outros assuntos importantes.

Um jornalista brasileiro disse: “O governo federal despreza jornalistas. Ataca a imprensa todos os dias pelas informações que publica, desacredita e humilha os profissionais da mídia”.

Um jornalista da Índia acrescentou: “A liberdade de imprensa se tornou cada vez mais restritiva. Jornalistas foram presos por denunciarem as deficiências do governo”.

No entanto, os entrevistados também elogiaram os jornalistas por arriscarem sua própria segurança e saúde para reportar sobre a pandemia e por lutarem para encontrar fontes independentes de informação e contra a desinformação.

Um jornalista português afirmou: “Existem situações ruins – mais comunicados à imprensa, menos reportagens reais, coletivas de imprensa sem perguntas, trabalhamos mais horas (muito mais horas), os celulares não param, estamos confinados, sempre trabalhando, e isso é prejudicial para a nossa saúde. No entanto, há também a sensação de que estamos passando por momentos extraordinários e os jornalistas estão respondendo e há mais motivação para denunciar. Assim como os médicos e os profissionais de saúde, também é o momento do jornalismo”.

O secretário-geral da FIJ, Anthony Bellanger, disse: “Esta pesquisa revela uma tendência preocupante de deterioração da liberdade de mídia e cortes no jornalismo no momento em que o acesso a informações e jornalismo de qualidade é crucial. O jornalismo é um bem público e merece o apoio das autoridades e o fim das pressões e obstruções políticas”.

Participaram da enquete 1308 jornalistas de 77 países: Alemanha, Angola, Argentina, Austrália, Bélgica, Butão, Bósnia e Herzegovina, Brasil, Burkina Faso, Camboja, Camarões, Canadá, Chade, Chile, Chipre, Colômbia, Congo-Brazzaville , Costa Rica, Croácia, Equador, Egito, El Salvador, Etiópia, Finlândia, França, Gana, Grécia, Guatemala, Guiana, Hong Kong, Índia, Indonésia, Iraque, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Quênia, Letônia, Luxemburgo, Macau, Mali, Malta, Mauritânia, México, Marrocos, Nepal, Holanda, Nigéria, Macedônia do Norte, Noruega, Paquistão, Panamá, Paraguai, Peru, Filipinas, Portugal, Senegal, Sérvia, Eslovênia, Somália, África do Sul, Espanha, Sri Lanka, Suécia, Suíça, Taiwan, Togo, Tunísia, Turquia, Reino Unido, Uganda, Uruguai, EUA, Vanuatu, Venezuela, Vietnã.

Entre os participantes, 42% dos entrevistados eram mulheres, 58% homens; 57% eram empregados, 43% eram independentes.