Jornalistas da RAC de Campinas estão mobilizados contra demissões

Assembleia realizada em 05/11 reforçou o espírito de unidade e mobilização entre os jornalistas da Rede Anhanguera de Comunicação (RAC). Desde a segunda quinzena de...

fotorac1fotorac1

Assembleia realizada em 05/11 reforçou o espírito de unidade e mobilização entre os jornalistas da Rede Anhanguera de Comunicação (RAC). Desde a segunda quinzena de outubro, os trabalhadores têm que conviver com informações – que circulam pela cidade e nas redes sociais – de que o grupo estaria enfrentando problemas financeiros e por isso iria se desfazer de alguns produtos e demitir trabalhadores. Uma das informações foi confirmada no dia 04/11, quando o Diário do Povo – o mais antigo jornal em circulação em Campinas – acabou com sua versão impressa.

Assim que tomou conhecimento das informações, a diretoria da regional entrou em contato com os jornalistas, que confirmaram a existência de boatos também na redação. Imediatamente, foi feito contato com o setor de RH – que afirmou desconhecer o assunto. Durante o plebiscito da campanha salarial, a diretoria debateu o assunto e estabeleceu, em conjunto com os trabalhadores, uma série de ações visando à manutenção dos empregos. Dentre as ações, foi solicitada reunião com a direção da empresa e mesa redonda na gerência regional do Ministério do Trabalho.

No dia 30/10, quando estava para realizar mais uma reunião com os jornalistas, a regional foi notificada pelo Ministério Público do Trabalho, sobre a possibilidade de demissões em massa. A instituição pediu esclarecimentos sobre a questão e informações sobre as ações do Sindicato. Na segunda-feira, pouco antes da assembleia, o diretor regional Agildo Nogueira Junior, acompanhado do advogado Marco A. Mundt Perez, foi recebido pelo procurador Silvio Beltramelli Neto. O procurador afirmou que também notificou a empresa para que prestasse esclarecimentos. Na assembleia, os jornalistas decidiram aguardar os desdobramentos das ações no MTE e MPT. Além da diretoria regional de Campinas, a diretoria Executiva do Sindicato tem participado das ações.

Agildo considera que a postura da empresa é equivocada. “A RAC é um grupo com tradição na mídia impressa, mas seu comportamento neste caso é ultrapassado. O grupo tem obrigações com a comunidade. O clima de insegurança na redação poderia ser evitado se eles tivessem discutido a questão com o Sindicato”, pondera o diretor.

Por enquanto, a RAC mantém a publicação dos jornais Correio Popular, Notícias Já, Gazeta de Piracicaba, Gazeta de Ribeirão (Ribeirão Preto), as revistas Metrópole e Panorama. O grupo também tem um portal na internet, a Agência Anhanguera de Notícias e uma gráfica. Durante anos, a RAC foi hegemônica na mídia impressa municipal.

Além de Agildo, participaram da assembleia os diretores regionais Djalma Santos, Edna Madalozzo, Marcos Rodrigues Alves, Fernanda de Freitas, além dos diretoras da Executiva do SJSP, Márcia Regina Quintanilha, e Lilian Parise.

Texto da Regional de Campinas  - Foto de Djalma Santos