Direito de voto: feminismo é o protagonista do filme 'Mulheres Divinas'

Longa-metragem de Petra Volpe resgata a história do sufrágio feminino na Suíça, ocorrido apenas em 1971. Baseada em fatos reais, ficção oscila entre drama e comédia

Por Xandra Stefanel - Rede Brasil Atual

Mulheres Divinas, da diretora Petra Volpe, estreou nos cinemas brasileiros em 14 de dezembro.Mulheres Divinas, da diretora Petra Volpe, estreou nos cinemas brasileiros em 14 de dezembro.Em 1971, a vida da campesina Nora (Marie Leuenberger) não havia sido em nada afetada pelas revoluções sociais ocorridas na Europa a partir de 1968. No interior da Suíça, a dona de casa vivia uma vida tranquila e “naturalmente” submissa ao lado do marido Hans (Max Simonischek) e de seus dois filhos. Mas quando a tranquilidade dentro de casa é ameaçada pela recusa do marido em deixar que ela volte ao trabalho, ela passa a se movimentar para lutar não apenas pelos direitos individuais, mas também pelos direitos de todas as mulheres. Esta é a história de Mulheres Divinas, da diretora Petra Volpe, que estreou nos cinemas brasileiros em 14 de dezembro.

O longa-metragem selecionado para representar a Suíça no Oscar 2018 aborda o sufrágio feminino na Suíça a partir de um microcosmo em uma cidadezinha do interior do país. Quando a sobrinha Hanna (Ella Rumpf) é presa injustamente, Nora percebe que não bastava ser favorável ao voto feminino de forma silenciosa. Era preciso exigir seus direitos em alto e bom som. Assim, com o apoio da viúva Vroni (Sibylle Brunner), ela começa a fazer campanha e organiza um evento informativo. É assim que ela encontra uma oponente – também mulher – à altura: Charlotte Wipf, integrante do Anti-politicization of Women Action Committee e chefe do marido.

Segundo a diretora, a história foi baseada em fatos reais, aos quais Petra – também roteirista da obra – teve acesso em suas pesquisas e nas entrevistas que fez com importantes exponentes da luta pelo voto feminino. “Os personagens foram inspirados pela pesquisa. Eu li uma dissertação completa sobre os anti-suffragettes – os oponentes do direito de voto na Suíça. A partir da perspectiva de hoje, é difícil entender exatamente por que inúmeras mulheres em 1971 lutaram tanto contra a votação. Muitas vezes, eram mulheres muito educadas, acadêmicas, rainhas da aldeia, que se estabeleceram muito bem e talvez simplesmente não quisessem que suas cozinheiras tivessem voz também. Quando você olha as entrevistas com eles, você pode ver o comportamento de submissão”, declara Petra Volpe. “Eu pensei que uma mulher como adversária seria mais emocionante, porque levanta mais perguntas. O antagonismo dos homens na história é um dado, reflete-se na mentalidade da época”.

O longa-metragem suíço traz de forma extremamente equilibrada doses de drama e de comédia, algo raro de se conseguir sem que o filme se transforme em um “dramalhão” piegas. O fato de ser acessível a um público bastante heterogêneo é apenas mais um dos pontos fortes de Mulheres Divinas. Afinal, em tempos de conservadorismo exacerbado, é preciso manter-se em estado de vigilância e continuar discutindo sobre a luta por direitos, sejam eles quais forem.

Mulheres Divinas é também sobre democracia e coragem civil, um assunto muito atual. Ser capaz de votar não é claro (sic), as mulheres lutaram por isso, e é uma prerrogativa valiosa que devemos nos lembrar nestes tempos realmente difíceis. Espero que o filme inspire as pessoas a fazer o que Nora faz: lutar, resistir, elevar a voz e se fazer ouvir”, declara Petra. “Até hoje, homens e mulheres são limitados por seus papéis de gênero prescritos. Há um sexismo internalizado profundamente enraizado em nossa sociedade. Isso prejudica nossas comunidades em níveis econômicos, sociais e políticos e não funciona em favor de ninguém. Quanto mais igual é uma sociedade, melhor ela é – isso é um fato estatístico”, completa.

Mulheres Divinas
Títulos originais: The Divine Order / Die göttliche Ordnung
Direção e roteiroPetra Biondina Volpe
Elenco:Marie Leuenberger, Maximilian Simonischek, Rachel Braunschweig
Distribuição:Mares Filmes
Gênero: Drama 
País: Suíça 
Ano: 2017 
Duração: 97 minutos