Contra redução de salário na RedeTV, jornalistas e radialistas podem decretar greve

Emissora anunciou redução dos salários na última sexta-feira (18)

Por Adriana Franco - Sindicato dos Jornalistas de São Paulo

Jornalistas e radialistas participaram da assembleia do lado interno da empresaJornalistas e radialistas participaram da assembleia do lado interno da empresa

Uma assembleia realizada em frente à RedeTV nesta segunda-feira, 21, marcou o movimento unitário de jornalistas e radialistas contra o anúncio de redução salarial da emissora. As categorias pedem a anulação da ordem de redução de salários que atingirá os profissionais, de acordo com anúncio da empresa na última sexta-feira (18). A medida reduz em 43% o salário dos jornalistas e em 40% o salário dos radialistas.

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) não foi informado oficialmente pela empresa, mas ciente da situação solicitou reunião formal com a emissora para tratar do assunto, mas não foi recebido pela empresa nesta segunda-feira (21).

Diante da real possibilidade de terem seus salários reduzidos, as categorias aprovaram de forma unânime nova assembleia para a tarde de terça-feira (22), na sede da RedeTV, que pode determinar o estado de greve, caso a empresa se recuse a negociar. (Leia o edital de convocação da assembleia)

O presidente do Sindicato dos Jornalistas, Paulo Zocchi, destacou em ato em frente à emissora que salários são irredutíveis e a prática é ilegal de acordo com a Constituição Federal. Como representante da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), da qual é vice-presidente, Zocchi lembrou que a RedeTV possui outras praças e, por isso, está em diálogo com os sindicatos dos jornalistas do Distrito Federal e do Rio de Janeiro para que o movimento contra a medida se dê em nível nacional.