Como financiar meios digitais independentes: 7 dicas de Nómada, da Guatemala

Confira 7 dicas deste artigo de Martín Rodríguez Pellecer, do site Nómada, da Guatemala

Por Martín Rodríguez Pellecer* - Nómada

Martín Rodríguez Pellecer, CEO de Nómada, da Guatemala. Foto: Arquivo pessoalMartín Rodríguez Pellecer, CEO de Nómada, da Guatemala. Foto: Arquivo pessoalQuando fundei Nómada, o meio do qual sou o diretor e o principal acionista, eu não tinha ideia de quão difícil seria financiar jornalismo de qualidade. Quatro anos depois, estamos começando a ver a luz no fim do túnel na área comercial e financeira graças ao nosso modelo de negócio.

Aqui estão as 7 chaves:

1. Diversificar as fontes de financiamento

O primeiro passo (em 2015) foi abordar uma incubadora de empresas chamada Alterna. Ela apoia projetos em seu estágio inicial para construir seus modelos de negócio com uma oferta muito atraente: você é cobrado à medida que suas vendas crescem. Certamente, na maioria dos países latino-americanos, existem incubadoras de empresas.

A partir deste momento, começamos a implementar um princípio básico de negócios: você não pode colocar todos os ovos na mesma cesta. Você não terá todas as respostas após a incubação, mas aprende à medida que coloca as ideias em prática.

Dois anos mais tarde (em 2017), me pareceu que estávamos chegando a uma resposta a esta questão da diversificação:

  • Vendas 'normais' de publicidade e produtos comerciais
  • Patrocínio de eventos recreativos e acadêmicos
  • Agência de conteúdo, Nueve
  • Subsídios de fundações (representam 47% da renda)

A renda de Nómada em 2017 foi de US$ 585.000, o que representa 87% do nosso orçamento. Estamos muito perto de alcançar o ponto de equilíbro no nosso quarto ano de operação.

2. Tenha uma margem, uma renda básica que lhe permita operar

Isso é fácil de fazer se você herdar uma fortuna. Eu não herdei.

A primeira coisa que fiz (2014) foi converter as possibilidades de consultoria para instituições internacionais, fundações e ONGs em investigações jornalísticas que poderiam ser públicas (ou não). Isso aumentou a agilidade de leitura e o impacto para os doadores. E para mim, eu financiei jornalismo. Isso nos permitiu começar a demonstrar com fatos que poderíamos existir.

Isso não é capital suficiente para ter uma equipe jornalística que nos permita crescer em nossa missão como empresa e meio de comunicação, e também vendi ações a figuras públicas impecáveis. O preço de 1% das ações cresceu de US$ 10.000 para US$ 20.000 em quatro anos.

Além disso, um familiar me confiou uma propriedade para hipotecar e solicitei um empréstimo bancário que começou em US$ 230.000, aumentou para US$ 450.000 e agora diminuiu para US$ 360.000. Claro, sempre pagamos no prazo.

O mais importante é decidir como investir esses fundos: jornalismo, assistência social e, chave: cargos e projetos que podem gerar recursos.

3. Faça uma aposta, um investimento

Para a minha geração de jornalistas, que decidiu fundar mais meios independentes do que meios tradicionais, tivemos que aprender empreendedorismo (ou gestão sem fins lucrativos) mais por necessidade, como eu acho que é o caso de todos os empreendedores.

Para experimentar esta diversificação de fontes, você precisa investir, apostar. Você não pode obter renda suficiente para financiar uma equipe de 8 jornalistas (incluindo eu) com apenas estagiários de meio período ou free-lancers. Você precisa de uma equipe comercial.

Então, de 2016 a 2018, começamos a investir em várias posições:

  • Fundraiser e administrador
  • Gerente de vendas
  • Gerente de eventos
  • Produtor audiovisual
  • Segundo designer gráfico
  • Segundo produtor audiovisual
  • Terceiro designer gráfico
  • Segundo gerente de vendas
  • Administrador (tempo integral)
  • Gerente comercial

Ou seja, é preciso apostar, investir e trabalhar para que esse investimento gere receita.

Isso significa que a equipe comercial e a equipe técnica (design e produção) hoje é maior do que a equipe jornalística (9 pessoas) de Nómada.

4. Teste produtos digitais (não apenas publicidade)

Eu tenho uma novidade para você. A prosperidade não está na publicidade.

É uma ferramenta maravilhosa para empresas e instituições. Por US$ 1.500 você pode alcançar até 500.000 visualizações e associar sua marca a um meio que é apreciado por seus leitores pelo nosso trabalho pela transparência, democracia e uma sociedade de vanguarda (que promove valores como igualdade de gênero e diversidade, por exemplo) .

Mas o Google e o Facebook comeram o mercado digital e isso significa que não podemos cobrar por publicidade que tenha 500 mil visitas a mais do que é cobrado por uma página de um jornal vista por 50 mil pessoas.

Da mesma forma, produtos comerciais digitais, como guias de viagem, vídeos de empreendedores ou ferramentas/jogos sobre marcas, continuam sendo 43% de nossa receita.

5. Eventos

Inspirado pelo Simpósio Internacional de Jornalismo Online (ISOJ) e pelo Texas Tribune, tivemos três objetivos em mente para a produção de eventos Nómada:

  • Dar à nossa comunidade de leitores outros caminhos para o conhecimento (palestras Dixit, no estilo das palestras do TED)
  • Formar um vínculo com a comunidade e uns com os outros (festivais, feiras-brechós)
  • Oferecer aos nossos clientes uma ferramenta de patrocínio na qual eles possam interagir com a nossa comunidade pessoalmente.

Jornalistas empreendedores, enquanto um banner tem um preço de US$ 1.500, os patrocínios para eventos variam entre US$ 500 e US$ 20.000.

Em termos de uma equipe, uma das lições é que você precisa contratar uma pessoa em tempo integral para organizar os eventos (você pode começar contratando alguém free-lance ou em meio período), uma ou duas pessoas para procurar patrocínios (mais o envolvimento diretor do meio de comunicação) e ter tempo dedicado do administrador, da equipe de design e do gerente de comunidade.

Além disso, tenha um pequeno fundo para investir (você pode começar com um cartão de crédito bem gerenciado ou cobrar de empresas de alimentos pela venda no evento). Alugar os lugares para os eventos, trazer os palestrantes ou comprar as bebidas e refeições antes dos participantes chegarem não é grátis. Além disso, os patrocínios podem levar até três meses para se tornarem efetivos em grandes empresas.

No evento, é necessária a participação de toda a equipe. Tanto para o relacionamento com a comunidade de leitores quanto para que a organização não aumente os custos.

Idealmente, você deve pensar em obter o dobro do rendimento do investimento. E renda deve ser buscada em consumo e frequência, mas especialmente em patrocínios.

Fizemos conferências Dixit sobre mídia e o futuro, sobre mulheres mudando o mundo, sobre tecnologia para inovação social e sobre inovação social corporativa. O maior que fizemos foi em parceria com o Duolingo (fundado pelo guatemalteco Luis von Ahn, que é acionista de Nómada) no Teatro Nacional em agosto de 2017; houve um público de 1.500 pessoas e sete patrocínios que, somados à presença do público e ao consumo, totalizaram US$ 40 mil em renda e 50% em lucro.

Nós fizemos festas para aniversários, Halloween, antes da Semana Santa ou eventos como um mercado de brinquedos eróticos. O mais bem sucedido foi o Halloween 2016, com 2.000 participantes, receita de US$ 15.000 e um lucro de 50%.

Para contextualizar, esses dois lucros, por si só, financiariam meio mês da operação de Nómada. Uma combinação de eventos é necessária com outras fontes de renda para financiar os onze meses e meio restantes do ano.

6. A agência de conteúdo: Nueve, por Nómada

Inspirado por GK (Equador) e VICE-México e levando em conta que havia empresas interessadas em contratar nossos serviços de vídeo, design, gerenciamento de mídias sociais e análise política especializada, fundamos nossa agência Nueve.

O desafio envolve gerenciar os horários das equipes de produção audiovisual, design e edição.

Aqui fizemos alianças comerciais para grandes clientes como bancos, siderúrgicas ou empresas de bebidas.

A coisa boa sobre essa fonte de renda é que ela não exige mais investimento do que o que já foi feito, e ter uma equipe de qualidade para produção audiovisual, design e análise política também é bom para o jornalismo.

7. Alianças estratégicas de finanças e negócios

Em nosso quarto ano, no qual já começamos a fazer parte de empresas com impacto social, buscamos duas novas alianças. Uma é com o Media Development Investment Fund, com o qual estamos prestes a reestruturar a maior parte de nossa dívida (US$ 310.000) para obter melhores taxas de juros com assessoria técnica. E também com o fundo Qomon do Grupo IDC (América Central) que inclui sua receita como acionistas (5%), reestruturação de outra parte da dívida (US$ 50.000) e assessoria técnica.

Em suma, ser um empreendedor de mídia é uma aventura e uma lição tão intensa quanto ser jornalista.

Este artigo faz parte da série "Inovadores no Jornalismo Latino-Americano" publicado originalmente pelo Centro Knight para o Jornalismo nas Américas


*Martín Rodríguez Pellecer (1982) é diretor e CEO de Nómada. Ele é guatemalteco, perseverante e alegre. Começou no jornalismo em 2001 em cartas de leitores. Em 2011, fundou Plaza Pública e, em 2014, Nómada. Recebeu seu diploma de bacharel na UFM e um mestrado em Estudos Latino-Americanos na UAM. Foi finalista do prêmio FNPI em 2013 e 2017. Ganhou o prêmio nacional de jornalismo em 2004 e 2017. É poliglota e feminista. @revolufashion