Começa segunda etapa de vacinação contra Influenza; Sindicato cobra vacinação da categoria

Categoria desenvolve serviços essenciais e, por isso, deve ter sua saúde preservada durante a pandemia

Por Adriana Franco - Sindicato dos Jornalistas de São Paulo / Foto: Secom via Fotos Publicas

Com o início da segunda etapa de vacinação contra a influenza no estado de São Paulo nesta quinta-feira (16), o Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo (SJSP) cobrou o Secretário de Estado de Saúde, Dr. José Henrique Germann Ferreira, sobre a vacinação da categoria, nesta sexta-feira (17).

Em 27 de março, o SJSP já havia encaminhado solicitação de inclusão da categoria entre os grupos prioritários, uma vez que a categoria desenvolve serviços essenciais durante a pandemia de coronavírus. A solicitação tem como base o Decreto 10.288 que prevê a adoção de medidas para a proteção da saúde da categoria durante a pandemia em curso.

A Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) solicitou que a categoria seja considerada grupo prioritário na vacinação contra Influenza ao então ministro de Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o Sindicato, por meio das Regionais, tem se dirigido a várias prefeituras do Estado de São Paulo no mesmo sentido.

A segunda etapa de vacinação acontece até o dia 8 de maio. A Campanha de Vacinação Contra a Influenza imunizará indígenas, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo, trabalhadores portuários, pessoas com doenças crônicas ou condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas, bem como a população privada de liberdade e funcionários do sistema prisional.

Regionais cobram vacinação nos municípios

Em Campinas, a reivindicação foi atendida e, desde o final de março, os jornalistas estão sendo vacinados. No ABC, a reivindicação foi feita ao presidente do consórcio intermunicipal do Grande ABC, Gabriel Maranhão, mas a solicitação ainda não teve retorno.

Já em Santos, o Sindicato pleiteia, desde 31 de março, que os jornalistas sejam incluídos na vacinação, mas a Secretaria Municipal de Saúde diz que a não cabe a ela decidir a respeito e que a cidade havia recebido somente 66.000 vacinas, quando necessitava de 101.000 doses. No dia 8 de abril, o Secretário Municipal de Saúde, Fábio Ferraz, face a novo apelo feito pela Regional Santos sobre a necessidade de proteger os jornalistas, assumiu o compromisso de que, assim que o município recebesse um novo lote, a Secretaria de Municipal de Saúde contataria o Sindicato para colaborar no que fosse possível. Não foi isso o que ocorreu. O governo estadual enviou novo lote de vacinas, com 30 mil doses, e a segunda etapa da campanha em Santos começou sem que a categoria fosse incluída. Até o fechamento desta edição, a Secretaria de Saúde não contatou o Sindicato para informar sobre a admissão dos jornalistas entre as categorias abrangidas pela vacinação.