40 anos de existência da Comissão Justiça e Paz de São Paulo (CJPSP)

A Comissão Justiça e Paz de São Paulo (CJPSP) completa 40 anos. A comemoração acontece hoje com o encontro "Memória e Compromisso", mediante depoimentos, debates e...

A Comissão Justiça e Paz de São Paulo (CJPSP) completa 40 anos. A comemoração acontece hoje com o encontro "Memória e Compromisso", mediante depoimentos, debates e perspectivas. O evento será no Tucarena (Tuquinha), ao lado do TUCA - Teatro Universidade Católica (entrada pela Rua Bartira, esquina com a Rua Monte Alegre, 1024) e será aberto à participação de colaboradores, militantes e interessados na luta pelos direitos humanos. As mesas redondas aconteceram de manhã das 9h as 12h30, e a noite, das 19h as 22h30. 

O encontro foi proposto por Margarida Genevois, em reunião com o cardeal Dom Odilo Scherer. Contarão com a presença dos fundadores, presidentes, conselheiros e membros como Dalmo Dalari, Fabio Konder Comparato, Helio Bicudo, Mario Simas, Luiz Antonio Alves de Souza, Waldemar Rossi, Margarida Genevois, Antonio Candido de Mello e Souza, José Gregori, Maria Victoria Benevides, Plínio de Arruda Sampaio, Marco Antonio Rodrigues Barbosa, Antonio Carlos Malheiros, Belisá¡rio dos Santos Junior, Antonio Funari Filho, Josefina, Juliana Santoro, entre outros. 

Serão debatidos importantes temas da cidade de São Paulo como a questão da escalada do terror homicida na capital paulista, vitimando principalmente moradores da periferia e policiais; a criminalização dos movimentos sociais; a campanha do "Cumpra-se"; e as formas de apoio à Comissão da Verdade. 

Informações adicionais A comissão foi criada há 40 anos por iniciativa do Cardeal Dom Paulo Evaristo Arns. Um marco na resistência e luta contra as violações dos direitos humanos durante a ditadura militar e civil de 1964. Amparou e protegeu centenas de presos, torturados, perseguidos políticos e seus familiares da repressão policial do regime ditatorial brasileiro. O primeiro convidado por Dom Paulo foi Dalmo Dallari que se tornou o primeiro presidente da Comissão. 

Inicialmente, as reuniões aconteciam na casa de Dom Paulo onde se colhia informações e depoimentos das ví¬timas da ditadura. Montava-se um acervo de dados e Dom Paulo viajava para Brasí¬lia para falar com autoridades militares e civis, visitava presídios para apurar denúncias de torturas, mobilizava bispos e outros religiosos, exigia medidas do governo da época para acabar com as prisões arbitrárias e as torturas e a localizar os desaparecidos políticos. Quando era impedido de visitar os presos, fazia chegar a eles uma Bí¬blia sinalizando que não estavam abandonados. 

A CJPSP lutou pela revogação da Lei de Segurança Nacional, pela Anistia, pela redemocratização do paí¬s através do voto direto, pela criação do CONDEPE e da Ouvidoria de Polí¬cia no Estado de São Paulo e pela criação da Defensoria Pública no Estado de São Paulo e sua Ouvidoria.

A CJPSP participou da Coordenação Nacional do Movimento pela Ética na Polí¬tica em 1992, da Coordenação Estadual da Marcha Global contra o Trabalho Infantil em 1998, que teve iní¬cio na Catedral, com missa oficiada por de Dom Paulo e terminou 118 dias depois em ato ecumênico presidido por Dom Claudio Humes. Membros da CJPSP ocuparam três vezes a presidência do CONDEPE e, durante dois mandatos, a Ouvidoria da Polí¬cia e a Ouvidoria Geral da Defensoria Pública. 

Hoje, conselheiros e membros da comissão integram a linha de frente da luta institucional pelos Direitos Humanos como Paulo Sergio Pinheiro e José Carlos Dias, que estão entre os sete integrantes da Comissão da Verdade; Marco Antonio Barbosa e Belisá¡rio Santos Junior integram a Comissão Especial (Mortos e Desaparecidos Polí¬ticos); José Gregori preside a Comissão Municipal de Direitos Humanos; Vicent Roig, secretário geral do Conselho Estadual de Direitos Humanos; e Maurí¬cio Brusadin no Comitê de Defesa das Florestas. 

A Comissão tem entre seus membros natos Dom Paulo Evaristo Arns, Dom Claudio Hummes e Dom Odilo Pedro Scherer.